Um ano de Brasil


(sei que nossos posts não seguem uma freqüência certa, mas passa aqui toda sexta e tenha certeza que verá novidades)

Ontem, dia 24 de agosto, completamos um ano de Brasil. Tudo passou tão rápido que mal dá para acreditar. Foram diversos desafios e tropeços, mas estamos mais felizes do que nunca, pois sobrevivemos a mais esta etapa de nossas vidas e tudo terminou bem.

Chegamos no Brasil totalmente perdidos, sem casa nem emprego, apenas atrás de sonhos e de uma vida com mais oportunidades. Amamos o Egito e nunca deixaremos de sonhar com o dia que talvez teremos a opção de morar novamente lá, e sentir a maresia do mediterrâneo da sacada de nossa casa. Mas o Brasil foi, no fim, extremamente importante para nossas vidas neste ano, e pudemos vislumbrar outros limites morando aqui também.

A adaptação não foi fácil, nem minha e nem de Mostafa. Eu tive que abandonar hábitos que para mim se tornarem essenciais, como andar de véu. Tivemos que muitas vezes nos explicar por coisas que no Egito era comum, como o porquê de não bebermos, porquê não queremos carne de porco. Também aprendemos a nos livrar das perguntas mais desagráveis que podem ficar fazendo para um estrangeiro que mal chegou no país e sua esposa: “Seu marido se adaptou? No que ele está trabalhando?” Cansei de me esquivar destas indagações, e se um dia você me perguntou sobre isso, pode ter certeza que fui evasiva e por certo não descrevi nem 1% do que é esta mudança.

A adaptção nunca é fácil, ainda mais em se tratando de culturas tão diferentes. Existem muitos períodos difíceis em que só as lágrimas falam. A saudade parece sufocante e as pessoas do Brasil por vezes soaram rudes demais, sem compaixão e paciência. Mas o ser humano, como já sabemos, é o ser mais adaptável deste planeta. Se antes o fato de quererem que experimentássemos um lombo de porco quase que à força, hoje mesmo criamos piada e convidamos amigos para uma fictícia “feijoada” em casa. Se antes nos cansava explicar porque muçulmano pode casar com mais de uma esposa e todo mundo fazia graça disso, hoje mesmo nós nos adiantamos e avisamos que o Mostafa tem uma esposa em cada país da Europa. São brincadeiras que só aprendemos com o tempo, com a convicência e quando passamos a ver coisas boas também no novo lugar onde moramos.

Aqui no Brasil fizemos várias coisas divertidas e pudemos aproveitar o que há de melhor. Alguns medos de dissiparam rápido, como minha reinserção no mercado de trabalho. Já contei para vocês que antes de ir para o Egito trabalhei num grande jornal e ao voltar temi não conseguir algo bom novamente. Mas em outubro de 2007 já estava trabalhando em outro jornal maior ainda. Foi engraçado porque fizeram um teste perguntando diversas atualidades do Brasil e eu não sabia responder quase nenhuma pergunta. Mas meu texto foi crucial para ser chamada para a entrevista e adivinhem o que fez a diferença na hora de contratarem? O fato de eu ter tido uma experiência internacional em um país totalmente diferente, como o Egito, e ter uma visão de mundo mais ampla. No fim, o Egito me garantiu uma série de boas coisas também no campo profissional aqui, quem diria.

Mostafa ao mesmo tempo se afundou nos livros de português e lentamente começou a se soltar na língua, algo fundamental para quem quer trabalhar no Brasil, pois inglês não basta aqui. Ele também deu aulas de árabe e inglês, aproveitando as qualidades que poderia oferecer neste meio tempo.

Alguns percalços apareceram e atrapalharam muito a minha vida. Em outubro mesmo, escorreguei na rua (usando uma sandália que comprei no Egito, oh fatalidade) e quebrei o pé no meio. Não estou exagerando, foram muitas ressonâncias, tomografias e paciência. Fiquei cerca dois meses de muleta e uns três, ao todo, com o pé imobilizado, o que me deixou nervosa e frustada por muito tempo. Até hoje olho para meus pés e agradeço todos os dias por Deus ter criado uma obra tão perfeita ao ponto de, num simples escorregão, termos de mudar a vida toda por conta de um problema de saúde.

E Mostafa aguentou bem meu xororô e esteve me dando forças quando eu já pensava em cortar o pé fora de uma vez. (risos)

Veio o ano novo, e vimos juntos pela primeira vez os fogos de artifício na orla de Santos. Era nossa primeira virada juntos, e completávamos um ano de casamento. Junto com a festa da virada, nossa vida também começou a tomar novos rumos e diversas coisas boas aconteceram na nossa vida. Eu mudei de emprego em janeiro e logo começamos a montar nossa casa.

Em maio fomos para o Rio Grande do Sul e vimos a gentileza do povo gaúcho. Nos espantamos com as grandes montanhas e cachoeiras, apreciamos a natureza do Brasil e fomos embora com um gostinho de quero mais.

Conhecemos novas pessoas, novos casais e novos egípcios que fizeram com que este período se tornasse mais doce. Amigos que começamos a ganhar pouco a pouco, e talvez se tornem companheiros para a vida toda. No Brasil, também pudemos aprender melhor o significado da palavra amizade, e entender porque certas pessoas fazem diferenças nas nossas vidas.

Aqui, também passamos a valorizar mais a família, pois ao ver mama no skype é muito difícil e todos os dias sentimos falta dela. Meus pais por aqui também nos apoiaram em todos os nossos passos, e nos fizeram pessoas melhores.

Por fim, veio o gato Tito, a alma de nossa casa e que deixa marcas (emocionais e físicas – risos) em todos o que nos visitam. Seja por seu jeito malvado de ser ou unhadas safadas, ele virou nosso bibelô mais bem cuidado e amado. Todos os dias brincamos todos juntos e ele se tornou parte de uma dinâmica feliz de nosso cotidiano.

E assim vai sendo o Brasil, como um remédio amargo no começo, mas que foi nos curando aos poucos e nos renovando a saúde. Aprendemos que não dá para se amar tudo em um lugar, mas que a adaptação é uma arte que conseguimos aprender e vencer com ela.

Sabemos agora que não importa o lugar em que estamos. Desde que estejamos juntos, a vida é feliz.

Anúncios

Sobre Masr culinária mediterrânea

Encomendas para Zona Oeste e Centro de São Paulo. Outras localidades sob consulta. Como trabalhamos com matéria-prima fresca, o ideal é que pedimos sejam feitos com antecedência.

Publicado em agosto 25, 2008, em No Brasil e marcado como . Adicione o link aos favoritos. 18 Comentários.

  1. Lindaaaa… adorei o blog… adorei mesmo… vou sempre entrar aki para ler as ultimas novidades viu?? Bjos.. adoro vcs…
    Aline

  2. Sem duvida nenhuma que a adaptação é uma arte que conseguimos aprender quando o amor fala mais alto.Linda história de amor,acho que estou começando a viver a mesma.Sou Angolana e meu amor Egipcio,nos conhecemos pela net
    E a jente vai se encontrar logo logo se Deus quiser (Insha Allah).
    E eu vou voltar sempre aqui tah bjos querida.
    Salam

    Marina – Laura, que legal sua história também, morro de curiosidade para ver como mulheres de outros países também vivem esta situação e como enxergam um casamento intercultural. Espero ouvir mais detalhes da sua história. Obrigada por ter vindo aqui!! beijos

  3. Marina, sua história me emociona, SEMPRE. Já faz um tempo que quero te escrever, mas nunca tive coragem. Já amei demais um egípcio mas não deu certo. Só agora as feridas realmente cicatrizaram. Já me apaixonei por outro, mas tb não dei certo. Porém tenho MUIIITA fé de que encontrarei meu verdadeiro amor. E se ele for árabe, melhor ainda, eu, simplesmente não resisto àquele sotaque….rs.

    Muitas felicidades para vc e Mostafa. Vcs são uma inspiração. LINDOS!!

    Marina – Oi Cris, fico feliz de estar te conhecendo agora 🙂 Mas que história é essa de não ter coragem de me escrever? Minha fama de má já foi tão longe? eheheheh Sei o que vc sente, é difícil apostar muito num relacionamento virtual e isso requer muitas energias da nossa parte. Mas espero que meus posts te ajude de alguma forma, porque minha maior inspiração para escrever aqui é talvez dar esperanças para algumas pessoas que ainda não encontraram o par ideal, pois para mim é possível sim ser feliz plenamente no casamento, ao contrário do que muitos gostam de dizer…
    Beijos e espero falar mais com vc.

  4. Marina, o que vc nos relatou agora não é só uma história e sim uma lição de vida, não adianta desistir, sentar e esperar a vida acontecer, tem que levantar, enfrentar a situação sem temer o que estiver por vir e vencer.
    Parabéns pela garra Marina e Mostafa!

    salam

  5. Marina e Mostafa, M&M vcs não são chocolate mas fazem um par perfeito. Ador ler o que vcs escrevem, sou fã de vcs desde o inicio, pois minha historia começou junto com a sua, talvez do mesmo modo e ao mesmo tempo fomos p o Egito, lá tive a oportunidade de aprender o valor de grandes amizades, com um egipcia que me socorreu sem ao menos me conhecer direito, só prq era a brasileira perdida, aqui valorizei ainda mais minha familia, e aprendi com vcs dois tambem que é possivel vencer barreiras, vcs são provas vivas de que o amor pode vencer todos os desafios, amo vcs dois.
    beijao

  6. Nossa não sabia que vocês estavam morando aqui!
    deve ser bem dificil, especialmente para ele
    Problemas todos temos certo? e vocês já são vencedores 🙂
    afinal tudo é possível né?
    então você é brasileira e ele egipcio?
    mais uma prova que o amor é algo lindo capaz de unir lindas culturas e fazer agnt aprender sempre mais
    bjss

  7. Parabens pelo trabalho ainda melhor!!!!!!!!!!! 😀
    confie em Deus! Ele sempre nos abre caminhos que as vezes agnt nem imginava antes, tão maiores do que pensavamos

  8. Marina, um grande abraco p/ vc! God bless you!

  9. NOSSA ESTAVA LENDO UM POUCO DA SUA VIDA …MT LINDO PARABENS!!!!!

  10. VC PODERIA ME ENSINAR COMO ENTRAR AQUI DE NOVO,E A PRIMEIRA VEZ E N SEI…KKK
    OBRIGADA!!!!!!!

  11. Marina, todos tem seus percalços, compete a nós ultrapassa-los e crescermos com isso…
    Você se tornou uma fonte de inspiração para todas nós, todas que de alguma forma se envolveram com alguem de tão longe….
    é pra você que corremos quando aparece alguma dúvida.
    é pra você que buscamos um consolo quando algo não vai muito bem…
    mesmo estando tão longe, você se tornou muito importante…
    bendita internet que nos aproxima, rsrs faz um continente estar bem ali, na sala ao lado, hehe
    bjus linda…

    Marina – Mona, Mona… já somos amigas e confidentes, e estamos todas no mesmo barco! Eu aprendi mtas coisas com todas e com vc, e descobri que certas pessoas fazem a diferença! beijoss

  12. Sara Caminotto

    Olá Marina, parabéns a voce e ao Mostafa pelo desafio vencido e que continua a vencer. Eu creio que parte importante que ajudou voces a enfrentarem e vencerem este desafio foi o amor entre voces, que continuou (e continua) sendo o alicerce dos dois na nova vida no Brasil. E muito lindo a maneira com que voce compara os dois países, Brasil e Egito, sempre com carinho não desmerece nenhum dos dois. E o fundamental é que Deus dirige suas vidas.
    Parabéns muito bacana sua historia de vida.
    Abraços

  13. Marina, adoro ler seu blog, aprendo cada dia mais a gostar de vc e Mostafa…lindos, vcs me transmitem muito amor, franqueza e paz…a vida não é fácil não, imagino sempre muito mais sobre tudo que passaram, mas agradeço com carinho sua sinceridade em compartilhar com seus leitores tanto amor…espero que Deus abençoe sempre vcs….e que se Deus quiser em breve eu começo a falar de tudo, ou melhor de um pouco do que tenho vivido, assim como vc já nos confidenciou..”. meio por acaso” um sonho encantado se tornou realidade …tem sido assim comigo…mas essa conversa espero um dia te contar e tomarmos juntos um chá….beijo, sou feliz por um dia ter encontrado vcs!

  14. قصتك رائعه ياختي الفاضلة
    وبالفعل التكيف مع البيئه شئ ليس بالاسهل ولكن بالتعود تستطيع ان تتكيف مع اي وضع
    وحياة سعيدة لكم

    احمدابوالمجد
    مصر

  15. Olá,

    Tenho um amigo, não sei ainda se namorado, pois compreendo pouco os homens árabes, rss
    Ele é médico no Cairo e quer vir ao Brasil e me conhecer.
    Trata-se de um homem de 40 anos e não mais um jovem.
    Muito sincero,nascido no Islam, mas não o pratica. Creio que é um dificultador por aqui, mas … fé é fé.

    Porque ,na verdade, eu não gostaria e nem posso ir para o Egito.

    Você que já passou pela experiência de vir do Egito para cá, como devemos calcular as despesas de viagem,tem algum site que você indicaria? Conhece alguém que possa indicar um emprego? Há alguma comunidade de egípcios aqui que possa prestar alguma assessoria ou conselho?

    Estamos cheios de dúvidas. Percebe-se né!
    Aguardo notícias.

  16. Nos dias atuais qual conselho vc daria para uma mulher brasileira e que tem um filho de 9 anos casar com um egipcio e ir morar lá?
    Bjs.

  17. Que conselho vc dá pra uma brasileira q tem 1 filho de 9 anos e q vai casar com 1egipciu e morar lá no Egypto?
    Bjs grata!!!!
    O filho é so meu.

  1. Pingback: Presentinho « Egito e Brasil

Deixe um comentário e vamos interagir!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: