Uma história


Voltar para o Brasil não foi fácil em diversos pontos. Primeiro existia o ponto cultural para meu marido. Segundo, retomar a vida, emprego e ir atrás das coisas nunca é fácil. Mas chegamos cheio de esperanças.

Tínhamos um pouco de dinheiro e minha família para apoiar e só. Após duas semanas, eu já estava saindo para uns freelas e Mostafa se afundava nos livros de português. Tem detalhes da vida que não cabe dizer aqui, mas uma mudança destas nunca é fácil. E nada na vida que é valoroso cai do céu.

Os dias passavam se arrastando enquanto eu disparava um turbilhão de currículos e temia pelo pior. Agora já estávamos aqui e o Egito ficava apenas nos sonhos e belas lembranças.

Apareceu uma vaga para um grande jornal. Corri e enviei logo meus dados, torcendo pelo menos para ter a chance de ser entrevistada (o que no jornalismo já é uma vitória). Não só ligaram como me chamaram para um teste.

Na redação, uns 10 concorrentes – alguns bem mais velhos que eu – estavam sorridentes e prontos para escrever. Recebo nas mãos 10 páginas com uma pesquisa do IBGE, somente tabelas e números. “Escreva um texto de economia com os dados fornecidos”. Passei o olho e logo vi números interessantes que já me serviam de gancho para começar. Escrevo e escrevo e fico satisfeita.

Eis que viro a segunda parte da folha e me aparece um questionários sobre conhecimentos gerais. Perguntam sobre salário mínimo,  nomes de ministros, coisas que em 9 meses de Egito nem ouvi falar. Jornalista não pode errar, então é melhor dizer “não sei” do que arriscar. E coloquei “não sei”, “não sei”, em cerca de metade das questões. Pensei que já era, só se eles realmente achassem meu texto muito bom.

Não sei como, me ligaram no dia seguinte e fui fazer uma entrevista. Engraçado, quando saí do país, virou uma fofoca sobre minha história, gente da minha área mesmo me chamava de louca ou sei lá o que, mas eu fingia que não ouvia. Só sei que não espalhava este assunto para muita gente, mas logo todo mundo sabia. Publicaram até um nota num jornalzinho dos jornalistas, e recebi vários e-mails perguntando o que havia acontecido comigo para eu me mudar para o Egito. Se fosse para Londres, a história era outra, vocês sabem ;-).

Pois bem, sempre achei o contrário. E que minha experiência fora, para uma jornalista, me ajudaria muito mais do que atrapalharia. E chegando na entrevista daquele jornal, sabia que iam falar que eu não tinha ido bem na parte de conhecimento gerais. Dito e feito, disseram que meu texto era excelente, mas se espantaram com minha falta de conhecimento de atualidades.

– Desculpa, mas é que eu fiquei nove meses fora do Brasil e tive pouco contato com o noticiário daqui.

– Ah é, e você estava onde?

– No Egito!

– Ahn? Como assim, fazendo o que?

– Conheci um egípcio e fui para lá. Me casei e agora estamos aqui.

E foi ótimo. Perguntaram o que tinha aprendido com a experiência e ficaram curiosos com algumas coisas. E não deu outra, me chamaram para a vaga e comecei a trabalhar.

A alegria era grande, parecia que as coisas iam entrar nos trilhos e todos nossos sonhos começariam a tomar forma. Eu não tinha carteira assinada, mas esta era uma grande oportunidade de mostrar meu trabalho e talvez, no futuro, ganhar um espaço maior.

Só que aí, uma coisa aconteceu. Na final da primeira semana de trabalho, estou voltando para casa. Desço do ônibus da empresa e atravesso a rua. Tinham acabado de pintar a faixa de pedestre, e a tinta ficou muito lisa. Eu estava com uma sandália que eu tinha comprado no Egito. E escorreguei, caí e alí fiquei. A dor era tanta que eu sabia que algo muito ruim tinha acontecido.

O motorista do ônibus viu e deu ré na rua, pessoas de não sei onde apareceram e me carregaram para dentro. Eu quase desmaiava de dor. O motorista saiu em disparada e eu peguei o celular. Liguei para o Mostafa chorando, e ele coitado sem poder fazer nada em casa, também ficou desesperado. Só depois liguei para minha mãe, e ela veio me encontrar.

Enquanto o motorista corria, eu já pensva no pior. Quando tudo parecia que ia dar certo, isso acontecia e eu nem carteira tinha. Ou seja, se eu não ficar boa, perco o emprego.

E cheguei no hospital. Tomo injeção para dor. Fazem raio-X, ressonância. Imobilizo o pé, que já estava uma bola roxa. E o diagnóstico: fratura em dois ossinhos no meio do pé. Tratamento: repouso completo, com o pé para cima, durante 30 dias.

Fiquei só 5 dias em casa. No sexto, já estava de volta ao jornal, de muletas e toda mal-acabada. Não poderia ficar em casa, numa situação dessas, esperando a vida passar. Arranjaram umas caixas e colocaram debaixo da mesa para ser o apoio para meu pé. E me davam, no começo, pautas em que eu não precisava sair. Como era muito difícil me locomover e o prédio muito grande, sentava na minha mesa às 13hs e só levantava na hora de ir embora. Sem ir ao banheiro, sem beber água. Ás vezes alguém notava que eu não me levantei o dia todo e oferecia para buscar um copo de água para mim, mas não era sempre.

O chão era liso, e mesmo tomando cuidado, às vezes quase caía só no trajeto de chegar à minha mesa. O pé pulsava de dor todos os dias, e não desinchava. Claro que não iria, eu não deveria estar pulando pra lá e pra cá.  Depois de uns dias, alguém achou que eu já estava boa e me pautaram para reportagens externas. E Marina foi, de muletas, para entrevistas coletivas. Todo mundo olhando e me perguntavam como deixavam eu sair assim.

***

Continua depois… eu tinha terminado o texto, mas o wordpress deu pau e acabou de apagar todo o resto do meu texto !!! To nervosaaa

Anúncios

Sobre Masr culinária mediterrânea

Encomendas para Zona Oeste e Centro de São Paulo. Outras localidades sob consulta. Como trabalhamos com matéria-prima fresca, o ideal é que pedimos sejam feitos com antecedência.

Publicado em março 2, 2009, em No Brasil e marcado como , , . Adicione o link aos favoritos. 7 Comentários.

  1. Parabens Marina vc eh mto batalhadora e vencedora!
    merece muito sucesso!!!!!! =)
    adorei ler mais sobre você

  2. Nunca tinha pensado que as pessoas tb tem preconceito contra o egito.. que chato hein
    mas com certeza contra o paquistao as pessoas tem bemmm mais

  3. lidianevasconcelos

    Oi, Marina!
    Seja muito benvinda lá no Bicha Fêmea, viu?
    Mulher, fiquei tentando imaginar um banheiro onde seja apenas pintado na parte molhada…

    Será que é naquele post que todos os meus receios vão cair por terra? Já apareceu até foto por lá de quem tem o banheiro pintado, sem revestimento… viu? ehehehe

    Li o seu post com tanta atenção, que você nem imagina… acho que você escreve de forma excelente e me conquistou…

    Agora não tem mais como eu deixar de te visitar para saber sobre você e suas impressões do mundo, a ainda sobre sua experiência no Egito…

    Estarei por aqui sempre.

    😉

    Beijos.

    Beijos!
    Lidiane Vasconcelos
    http://www.femeablog.wordpress.com

  4. QUE BOM QUE TEMOS UM dEUS QUE NOS DÁ GRAÇA E FORÇA NOS MOMENTOS DIFÍCEIS NÉ? ÁS VEZES PENSAMOS EM DESISTIR DE TUDO, MAS DEUS NÓS DÁ SUA GRAÇA E TENTAMOS DE NOVO..ALELUIA.
    GRANDE BEIJO AMIGA,
    GIANE

  5. Concordo contigo, nada que vale realmente a pena cai directo do céu.
    As coisas podem ser realmente difíceis! Mas…o que não nos mata, torna-nos mais fortes Marina!
    É muito bom saber um pouquinho mais da “pessoa real”, principalmente para mim, que não tive a oportunidade de ler os teus post iniciais sobre a tua história.
    Um beijinho muito grande!

  6. Impossível não se comover com o seu texto e o teor das suas histórias, esse último post em especial, me comoveu pela sua coragem e determinação!
    Da sua fã,
    Lara

  7. obrigada pelas mensagens meninas… realmente nem tudo é fácil, e compartilhar com vcs tudo isso é algo que me faz muito feliz!

    beijos

Deixe um comentário e vamos interagir!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: