Amar! No computador?


Será que é realmente possível gostar de alguém só pelo que ele fala e escreve? De repente, alguém te adiciona no skype, ou no Orkut, trocam algumas palavras e um sentimento aparece. Será que tudo isso é real?

É complicado se imaginar nesta situação. Perceber que estamos nos sentindo atraídas sem ter a real noção das coisas, sem ver as expressões, o jeito da pessoa. E com cada vez mais pessoas conectadas, é normal que mais e mais gente de todos os cantos do mundo se conheçam e troquem informações online. E a paixão no computador começa como qualquer outra. Um elogio vem, a conversa é interessante, a pessoa manda uma foto e aparenta ser bonita. Quando fala no microfone, a voz te envolve. É fácil se apaixonar por alguém na internet, ainda mais se ele for calmo e compreensivo. No mundo virtual não existem os problemas do real, os mal-entendidos são menores, pois as letrinhas não vem carregadas de entonação ou expressão. Eu posso, no cara a cara, falar gritando e com voz tensa. No virtual, a mesma frase sai apenas da mesma forma que qualquer outra.

Nada é totalmente igual quando se vai para a realidade. Eu conversei muito com meu marido, horas e horas a fio para tirar qualquer dúvida, conhecê-lo melhor. Mas nada se compara quando finalmente ficamos juntos no Egito. Eu nem sabia que ele era nervosinho com as pessoas, não imaginava os hábitos que ele tinha, nem de forma ele realmente agiria comigo seja na nossa casa ou na rua. Descobri que ele pega na minha mão toda vez que temos que atravessar a rua, que não gosta que eu seja simpática nas lojas se o vendedor é um homem, que ele gosta de cozinhar mas, quando faz isso, ai de mim se for dar algum palpite ou querer mudar algo na receita! Graças a Deus, Alhamdo Lellah, todas as coisinhas novas que fui descobrindo na vida real não eram difíceis de aceitar e a maioria me agradou por demais. O amor só se fortaleceu. Ele também gostou quando descobiu minhas atitudes, a forma que dou minhas opiniões e como procuro cuidar dele.

Sair do virtual e partir para o real nem sempre é uma passagem tranquila. É normal descobrir coisas novas, ainda mais quando a convivência aumenta. Por isso, acho que é possível sim começar a se gostar de alguém pela internet e pensar seriamente em casamento. Mas o amor mesmo, sem neuras e segredos escondidos, este só aparece de verdade quando o casal finalmente decide viver a relação pessoalmente.

Vocês concordam?

Anúncios

Sobre Masr culinária mediterrânea

Encomendas para Zona Oeste e Centro de São Paulo. Outras localidades sob consulta. Como trabalhamos com matéria-prima fresca, o ideal é que pedimos sejam feitos com antecedência.

Publicado em abril 3, 2009, em De tudo um pouco... e marcado como , , , . Adicione o link aos favoritos. 28 Comentários.

  1. Concordo, plenamente. Eu também me apaixonei um pouco assim mesmo. Apesar de o ter “visto” na vida real, não dei importância nenhuma. Eu nem me lembrava da cara dele quando ele me redescobriu no mundo virtual!! :$ O que basicamente equivale a dizer que o conheci na internet. Mas, apesar das horas de conversa, fotos e web cam, nada como “sentir” a outra pessoa na vida real. Perceber a na linguagem corporal que ele está tão nervoso como eu, que presta atenção a todos os movimentos e expressões da minha cara para tornar tudo o mais confortável possível para mim….é …o amor pode nascer na internet, mas tem que passar a prova de fogo da realidade para continuar o seu crescimento.

  2. Marina,

    Estou a adorar o teu blog… é óptimo!

    Adorei o teu post sobre, como sabes que teu marido está se acostumar com o Brasil e toda uma nova cultura.

    Sempre achei estranho essas relações que começam via internet, sempre achei haver a maior probabilidade de sair um psicopata do outro lado…, mas tá aí a tua história e a de tantas outras, que tudo é possivel.

    Bj
    Raquel

  3. Tenho uma duvida: A virgindade é algo que eles preservam antes do casamento?
    É possivel casar sem ser virgem mais?
    E vc? Eles aceitam nosso passado de namorados, de namoros longos?
    Beijo

  4. Oieeeeeeeee!!!!
    É possível sim! Se apaixonar pela internet, pois ali normalmente as pessoas (julgo por mim) falam o que pensam e o que são. Mas, claro que ir para a vida real é o sonho de todo mundo que se ama no virtual. Eu espero (Insha Allah) que ele seja a pessoa maravilhosa que no mundo virtual ele é para mim. E que eu corresponda às expectativas dele também.
    bjkassssss e bom final de semana a todos!

  5. OI te add no orkuts
    concordo sim contigo!
    tb acho lindo ele pegar na minha mão para atravessar =D
    ai que saudade =( buaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

    tudo o que eu vi nele pessoalmente era o mesmo no virtual, amei tudo, amo mtoooooooooooo

  6. OI Marina
    tambem não acreditava no amor virtual, até ser vitima de um, quando me apaixonei pelo ahmed, não sei exatamente o que mais me encantou nele, mas acho que foi um conjunto de coisas, desejava encontra-lo no mundo real pra ver ser era tudo aquilo que eu sentia mesmo, e fui como uma louca pro Egito, la tive mas impressões e um baita choque cultural que me deixou maluca, tudo atrapalhou. Mas acredito em amor virtual sim e quando esse vira real é melhor ainda, ou pior, depende do caso, o meu foi mais ou menos, mas adorei a experiencia, só que nao vou repetir, estou me prevenindo, não quero mais ficar doida como fiquei, até doente eu fiquei, entao hj meu mundo virtual não passa de amizades, nada mais de cam e microfone. Fico feliz que o teu amor virtual vingou e mais feliz de vir aqui ler teus posts.
    beijao

    • katie se caso tu ler isso me responda por favor preciso saber se esse ahmed é o mesmo com quem eu estou tendo um relacionamento ele quer que eu vá pro EGITO mas existe uma duvida cruel dentro de mim por favor se ler me responda

  7. Olá!
    Marina, penso que pela internet amar é como fazer amigos. Por exemplo, eu gosto do que você escreve, acho que as palavras te revelam e te dão a conhecer. Se eu sou sincera naquilo que escrevo, quem me lê vai conhecer a Elaine real. Assim é no amor. E a gente pode se enganar tanto pessoal quanto virtualmente.
    Mas penso que cuidados devem ser tomados. Tem muito lobo em pele de corfdeiro por aí…
    Tenha um fim de semana abençoado!
    Beijos.

  8. Oi Marina, acompanho teu blog, apesar de nunca ter comentado, acho seus posts sensacionais!!
    Gostaria de saber como é sua vida de mulçumana aqui no Brasil. Vc trabalha de véu? Já sofreu algum preconceito?
    Na Europa é super comum vc encontrar no metro, nas ruas e até ser atendido nas lojas por mulheres com véu e isso é encarado com muita naturalidade… mas aqui tudo é motivo ou de chacota ou de fazer vc se sentir um ET!!
    Mega beijos,
    Luciana

  9. mariachiquinha

    Conheço uma linda história de amor entre uma brasileira e um paquistanês que se conheceram pelo orkut e hoje estão casadíssimos, na qual ela sempre dizia , que o mundo é grande demais para acharmos que a nossa “cara metade” está perto de nós. É mais ou menos isso.

    O que também não significa que não há riscos em se relacionar com uma pessoa que conhecemos apenas no virtual. Há riscos sim do outro não ser aquilo que nós pensávamos, e em casos mais graves, do outro ser um psicopata, pedófilo, sei lá mais o que.

    Como já dizia minha vó, prudência e caldo de galinha não fazem mal a ninguém.

    ………………………………………………………………………………………………..
    Embora a pergunta não tenha sido feita a mim, lá vou eu dando os meus pitacos…

    “Fabiana

    Tenho uma duvida: A virgindade é algo que eles preservam antes do casamento?
    É possivel casar sem ser virgem mais?
    E vc? Eles aceitam nosso passado de namorados, de namoros longos?”

    __> Fabiana, se você se refere a um muçulmano, lá vai uma dica. Não minta nunca. Em hipóstese alguma minta ou omita algo sobre você ou seu passado. Ok, você também não precisa fazer um relátorio sobre o mesmo, mas diga sempre a verdade.
    Estamos vivendo no século XXI, embora haja culturas diferentes, em se tratando de sentimentos os homens são iguais. Caso você encontre alguém que não seja suficientemente capaz de te aceitar do jeito que você é ou a sua história de vida, é sinal que ele não te merece seja muçulmano, cristão, judeu, ateu… Não que seja fácil de início para os mais conservadores, mas se há amor sincero, o que você foi ou fez antes dele é passado, E passado já passou, já foi. Viva o presente e procure ser feliz hoje e no futuro.

  10. Parabéns Mariachiquinha!!!! Assino embaixo sobre tudo que tu comentou!
    bjkas

  11. Grande Mariachiquinha!!!Concordo com tuuudo, menos com o caldo de galinha, équinha hahahahaha
    A um tempo atrás até mesmo criticava esse tipo de atitude (rendeu até post), mas não por usar a internet por um veículo de comunicação e cheio de possibilidades, mas ainda sou do tato do pegar do abraçar.Sendo isso possível , ueba bora lá.
    Ainda mais agora que tenho conhecido pessoas que usaram a internet pra encontrar alguém e que conheceram e deu super certo.Começo acreditar que para as pessoas não acomodadas isso é um bom meio de encontrar a tampa da panela.Mas como sou tacho… e tacho não tem tampa…. hahahahaha hauhsuahsa 😛

    Bjus

  12. Muito interessante esse tópico. Temos que ter pé no chão, ser racionais e lógicas. Mas como ser assim quando se trata de coisas do coração ? É fácil falar quando não estamos vivendo alguma paixão. Cresceremos com aquele esterótipo do homem perfeito, que nos fará suas princesas. Existem pessoas que de tão carentes, se apaixonam com uma facilidade meteórica. Outras são tão fatalistas que nem acreditam mais em amor. O mundo virtual nos favorece em muitos aspectos; social, pessoal, profissional e cultural. É tudo muito diferente, uma experiência amorosa virtual. Mas, como disse a Marina; temos que nos cercar de precauções. Decepções e realizações existem em qualquer lugar, e ir e vir de outro país a todo momento não é possível para conhecer mais a fundo a pessoa amada.

  13. Que post fantástico!
    É verdade que a distância causa algumas dúvidas, não só nos relacionamentos amorosos como nos de outra natureza, mas pegar na nossa mão para atravessar a rua deixou-me derretida, e não é encenado não, a preocupação é real.
    Coisas de Egipcios…
    Cris (Portugal)

  14. lidianevasconcelos

    Oi, Marina!

    Depois de um longo tempo (pouco mais de 15 dias) afastada da blogosfera, volto cheia de saudades disso tudo. E estava com saudades de você, viu? Para variar, seus textos são ótimos! 😉

    Mulher, concordo plenamente contigo. Já falei que conheci meu marido pela internet? Acho que não, né? Pois, conheci o amor da minha vida pela internet. E sim, fiquei envolvida pelo que ele falava, como falava e, depois, pela voz dele quando passamos a conversar pelo telefone. Mas nada, absolutamente nada substitui o contato físico, o olho no olho… tudo é uma questão de pele e isso é definitivo na relação. Além desse contato físico, há também a necessidade de se ver o comportamento da pessoa com a gente, o tratamento dos pequenos conflitos do dia-a-dia que vêm e são normais. Somente depois disso tudo é que a gente pode dizer se há amor sólido e verdadeiro, ou apenas empolgação. Graças a meu bom Deus, lá se vão 4 anos de casamento e 8 que nos conhecemos. Fui privilegiada. Não é todo mundo que acerta no amor que foi achado pela internet.

    Beijos.

  15. lidianevasconcelos

    Oi, Marina!

    Depois de um longo tempo (pouco mais de 15 dias) afastada da blogosfera, volto cheia de saudades disso tudo. E estava com saudades de você, viu? Para variar, seus textos são ótimos! 😉

    Mulher, concordo plenamente contigo. Já falei que conheci meu marido pela internet? Acho que não, né? Pois, conheci o amor da minha vida pela internet. E sim, fiquei envolvida pelo que ele falava, como falava e, depois, pela voz dele quando passamos a conversar pelo telefone. Mas nada, absolutamente nada substitui o contato físico, o olho no olho… tudo é uma questão de pele e isso é definitivo na relação. Além desse contato físico, há também a necessidade de se ver o comportamento da pessoa com a gente, o tratamento dos pequenos conflitos do dia-a-dia que vêm e são normais. Somente depois disso tudo é que a gente pode dizer se há amor sólido e verdadeiro, ou apenas empolgação. Graças a meu bom Deus, lá se vão 4 anos de casamento e 8 que nos conhecemos. Fui privilegiada. Não é todo mundo que acerta no amor que foi achado pela internet.

    Beijos.

    Bicha

  16. lidianevasconcelos

    Oi, Marina!

    Depois de um longo tempo (pouco mais de 15 dias) afastada da blogosfera, volto cheia de saudades disso tudo. E estava com saudades de você, viu? Para variar, seus textos são ótimos! 😉

    Mulher, concordo plenamente contigo. Já falei que conheci meu marido pela internet? Acho que não, né? Pois, conheci o amor da minha vida pela internet. E sim, fiquei envolvida pelo que ele falava, como falava e, depois, pela voz dele quando passamos a conversar pelo telefone. Mas nada, absolutamente nada substitui o contato físico, o olho no olho… tudo é uma questão de pele e isso é definitivo na relação. Além desse contato físico, há também a necessidade de se ver o comportamento da pessoa com a gente, o tratamento dos pequenos conflitos do dia-a-dia que vêm e são normais. Somente depois disso tudo é que a gente pode dizer se há amor sólido e verdadeiro, ou apenas empolgação. Graças a meu bom Deus, lá se vão 4 anos de casamento e 8 que nos conhecemos. Fui privilegiada. Não é todo mundo que acerta no amor que foi achado pela internet.

    Beijos.

    Bicha Fêmea
    http://www.femeablog.wordpress.com

  17. Ai que medo disso estar realmente acontecendo comigo!rs

  18. Nossa, cheguei pela Anah e adorei. Já puxei o banquinho e vou ler tudo. Este primeiro post tocou num assunto muito delicado pois, atualmente, o virtual se mistura com o real tendo a carência como recheio principal. Aí, muitas histórias se desenvolvem. Umas bem, como a sua, outras nem tanto.
    Eu tenho uma “amizade” de net que espera se transformar em algo real. Um amigo de infância que nos reencontramos anos depois. E estamos anos conversando e nos cuidando somente pela net e tel. E vai ser neste próximo verão europeu que vamos conhecer os defeitinhos, os inhos um do outro, e saber se pode ser real. Quem sabe eu tbem jogue no seu time?

    Ah, vou te add no meu blog, ok?

    Bacio

  19. Obrigada pela visita no blog Marina!! 🙂

    Eu concordo em muitos pontos, mas acho meio complicado definir o que é amor e o que é paixão em situações como esta.
    É possivel sim se apaixonar por uma pessoa través do computador, mas posso dizer que eu AMO a pessoa que conheci. Amo o sentimentos recíprocos, o respeito, as atitudes e percebo o amor dele através de tudo o que ele já fez e está fazendo (em termos de mudança de vida) em minha função. Amo a pessoa que conheço pelo computador, telefone, cartas, objetos. Driblamos a distância da melhor maneira possivel e tentamos manter tudo o menos virtual possível.
    Não obstante, só a CONVIVÊNCIA real nos proporciona certos conhecimentos a respeito da outra pessoa e ali o amor pode crescer (ou não).

  20. Claro, eu concordo plenamente. Eu também me apaixonei por um rapaz que conheci em 2004, hoje ele é meu marido, nos conhecemos pela internet em 2004, conversamos muito durante três anos por cartas, msn e telefone. Ele também é egípcio, e em 2007 fui para o Egito, nos encontramos e nos casamos. Nunca imaginei que o amor da minha vida estaria do outro lado do mundo.

  21. Oi mariana, concordo contigo. Apesar de nunca ter me apaixonado pela internet, acho natural. Cada vez mais passamos tempo na web, em redes de relaciomaneto etc. Nada mais natural do que conhecermos pessoas assim e pq não se apaixonar?
    Não sei definir oq é amor, oq é paixão. Acredito que amor é uma construção e pra isso acontecer é necessário ter uma convivência diária, proximidade, uma relação real!
    Conheço várias histórias bem sucedidas de casais que se conheceram pela net, acho natural!

    beijos

  22. Sim,eu acredito que possamos sim amara pela internet,alias eh muito mais facil se paixonar por aqui,as palavras tem um poder enorme,a distancia tbem alivia muito coisas ruins e embelza coisas bonitas,eu ja fui ‘apaixonadinha’ virtualmente antes de me casar,tbem fiz e faco ate hoje amizades maravilhosas virtualmente,e algumas que hoje nao sao mais virtuais sao melhores ainda.
    Adorei e achei lindo a atitude de seu marido pegar na sua mao qdo atravessaa rua,isso eh o maximo,essa maneira de nossos muculmanos nos encantarem com suas gentilezas,isso eh oque mais amo em meu marido,me sentir protegida por ele.Beijo beijo,adoro seus posts!

  23. Ola, Marina!!!!

    Saudades de ti!!!

    Essa não é a minha primeira paixão virtual, confesso que me inscrevi uma vez num site de relacionamento (PARPERFEITO), conheci alguem muito especial. Nós relacionamos por 8 meses, foi ótimo, o genro que qualquer sogra deseja. Mas as coisas acabaram não dando certo… hoje somos amigos… Porém dessa vez, eu estou um pouco assustada, quando mais leio sobre o Egito, mas percebo a diferença cultural… e essa diferença tira um pouco a minha capacidade de julgamento. Você tem sido uma “ferramenta” ( desculpe a frieza da expressão ) muito importante para tirar todas as minhas dúvidas. Adorei quando o Mustafa fez alguns comentários…. que tal você pedir para ele escrever mais para nós…. sobre alma egípica musculina… !!!!!!! Vocês formam um casal fantástico.
    Beijos no Coração!!!

  24. Oi Marina, tudo bem? Sou Giovanna Carvalho da Edelman, agência de comunicação da Symantec. Li seu post e achei que se interessaria por alguns dados da recém-lançada pesquisa Norton Online Living Report. Ao analisar o comportamentos online das pessoas, descobrimos que sete entre dez adultos em todo o mundo afirmam que a Internet melhorou seus relacionamentos. Além disso, três em quatro pesquisados foram conhecer pessoalmente alguém que encontrou originalmente online.
    Bem bacana, né? Se você tiver interesse em acessar todos os outros resultados me mande um e-mail que eu encaminharei o estudo para você!
    Um abraço
    giovanna.carvalho@edelman.com

  25. Concordo, plenamente. Eu também me apaixonei um pouco assim mesmo. Apesar de o ter “visto” na vida real, não dei importância nenhuma. Eu nem me lembrava da cara dele quando ele me redescobriu no mundo virtual!! :$ O que basicamente equivale a dizer que o conheci na internet. Mas, apesar das horas de conversa, fotos e web cam, nada como “sentir” a outra pessoa na vida real. Perceber a na linguagem corporal que ele está tão nervoso como eu, que presta atenção a todos os movimentos e expressões da minha cara para tornar tudo o mais confortável possível para mim….é …o amor pode nascer na internet, mas tem que passar a prova de fogo da realidade para continuar o seu crescimento!!!+1

  26. É muito dificil o amor virtual.
    Eu ando nesse dilema já faz algúm tempo,tem horas que eu nem sei mais o que é real ou não?! penso que só eu amo,que só eu estou apaixonada.Outras acho que ele também sente algo por mim.Tudo que eu quero um dia estar com ele,poder sentir seu cheiro,seu toque,seu beijo,poder ver seu sorriso,o brilho dos seus olhos…como é dificil amar assim,alguém que nunca se viu pessoalmente,e quem nem sabe se um dia verá.
    Ainda assim,mesmo que nunca esteja com ele,pra sempre vou ama-ló.Pra sempre vou sonhar com meu amor virtual.
    Te amo RYAN!!

  1. Pingback: Luage adventures « Amor em Tempo de (In)Tolerância

Deixe um comentário e vamos interagir!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: