Amigos do sexo oposto


Como algumas pessoas perguntaram, vou tentar falar um pouco sobre a questão de amizades com pessoas do sexo oposto para os muçulmanos. Sei que isto também se encaixa para os árabes em geral, além de indianos. As tradições e cultura destes povos exalta muito os laços familiares e a manutenção dos casamentos, além de terem diversas regras sociais – e religiosas também – que definem as relações entre pessoas.

No Islã, por exemplo, a mulher não deve ficar sozinha em um mesmo lugar fechado com um homem que não seja seu marido ou da família. No Egito uma vez, foi até engraçado, pois chamei o elevador e um homem estava dentro, como eu nem tinha me tocado muito destas coisas fui entrando normal, ele sorriu e saiu. E eu vi que ele ficou lá na porta e chamou o outro elevador do lado. Por sinal de respeito, ele simplesmente deixou o elevador sozinho para mim, para evitar uma situação constrangedora.

Também no Egito, meios de transporte público possuem carros ou vagões separados só para as mulheres, assim elas se sentem mais confortáveis e não precisam se sentar ao lado de um homem que não conhecem. No caminho para minha casa do trabalho, eu pegava uma espécie de bonde em Alexandria, e o vagão do meio era sempre o das mulheres. Mas às vezes estava tão cheio, tão cheioooo de mulheres, que eu ia no dos homens. Todo mundo encarava, claro, mas prefiro ir de pé respirando do que amassada num monte de mulher que não conheço. Algumas mulheres frequentam os vagões masculinos, mas sempre acompanhadas. Eu algumas vezes fui sozinha, mas só quando o das mulheres estava impossível mesmo.

Nos clubes também existem horários específicos para as mulheres, mesmo que elas usem o maiô islâmico, elas preferem o momento em que podem usar a piscina sozinhas. Outra coisa interesssante desta separação invísel entre homens e mulheres, é que ser simpática e sorrir, por exemplo, na hora de comprar uma coisa, faz você parecer que é mulher da vida. A não ser que você conheça o dono da loja, não vale a pena ficar trocando conversa e sendo gentil, pois pega mal no Egito isso, e acredito que em outros países muçulmanos também. O certo é ir além: manter os olhos baixos e não encarar um homem que você não conhece.

Quando uma ocidental como eu, comecei um relacionamento com um muçulmano, não fazia idéia destes detalhes nem muito menos via tantas diferenças entre homens e mulheres. Mas é só dizer que você tem um “amigo” homem, que seu amor já vai dar piti. Para a maioria deles, não é possível existir amizade real entre pessoas de sexos diferentes. Poderá sempre haver a chance de um interesse de um a mais pelo outro, e vice-versa. Se a mulher for casada então, não deve ter interesse nenhum em se relacionar com outros homens, pois eles poderão desestabilizar a relação um dia, quem sabe. Pode ser até que, no momento, nenhum dos dois sinta atração pelo outro, mas quem garante que não poderá acontecer um dia? Por isso, eles não acreditam neste tipo de amizade, nem permitem que as esposas tenham.

Mas no Egito moderno, por exemplo, conheci muitos jovens – homens e mulheres – amigos entre si. Conversam no msn, vão a cafés ou cursam a universidade juntos. É comum hoje já existir por lá pessoas que se dizem amigas, mas é sempre motivo de brincadeirinhas, do tipo “ahhh, amiga sua, sei, sei….”. O tom de que algo a mais pode acontecer é sempre presente, por isso também se seu “habiby” diz que tem amigas, ou algum árabe diz que só quer seu amigo, desconfie. Claro que existe de tudo neste mundo, pode ser que existam pessoas que só querem amizade mesmo, mas pela cultura deles, provavelmente existe um outro interesse por trás.

Claro que para quem sempre teve amigos homens, é meio difícil entender tudo isto. E dizer adeus a alguém que sempre foi próximo, pode ser delicado. Para mim foi fácil pois não tinha amigos homens. O mais complicado foi manter colegas de trabalho com mais distância, pois sempre tem aquela pessoa com mania de abraçar, pegar na mão. Na frente de um marido muçulmano, isso ia dar “porrada” literalmente. Então com jeito você começa a desviar, falar da sua mudança, da cultura do seu marido. E hoje a maioria dos colegas ou homens que eu conheço não se aproxima de mim naturalmente. Batemos-papo no café, por exemplo, trocamos informações de trabalho, mas nada muito “amiguinho”. Aos poucos a gente consegue dar limites.

Agora não sei como seria com alguém realmente próxima a um amigo. Com certeza seria difícil para ele entender todas as suas mudanças, seu marido talvez teria de se aproximar dele e vocês se encontrem todos juntos, aí fica mais fácil. Agora sair sozinha, com amigo homem, não vai mais dar não, provavelmente.

Anúncios

Sobre Masr culinária mediterrânea

Encomendas para Zona Oeste e Centro de São Paulo. Outras localidades sob consulta. Como trabalhamos com matéria-prima fresca, o ideal é que pedimos sejam feitos com antecedência.

Publicado em abril 24, 2009, em No Brasil, No Egito e marcado como , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 37 Comentários.

  1. Hum, hum ( som produzido pela minha garganta enquanto a tento aclarar)
    Pois, é neste momento que eu me lembro sempre que nos relacionamentos como o meu, tem que haver cedências parte a parte.
    Eu, que desde há…uns 12 anos estudo, trabalho e vivo num mundo de homens, tenho muitos colegas masculinos. E tenho pelo menos uns dois homens na minha vida, não familiares, que são como dois irmãos para mim. Fazem parte do meu núcleo duro! E, curiosamente, dão-me apoio neste meu relacionamento! Não posso abrir mão da sua amizade, principalmente agora, que se revelam tão bons amigos. Todos os outros apenas me relaciono profissionalmente, mas estes dois são mesmo amigos.Claro que não quero magoar quem amo, então espero o dia que ele cá vem, para os apresentar, e esperar que também eles passem a ser amigos.
    Pensamento positivo!!! 😉

  2. Olhando esse assunto de primeira, achei que poderia ser machismo…mas vi que não! Me parece um traço cultural e religioso bem interessante, totalmente diferente do ocidental, mas nem por isso menos certo né?
    Mas Marina, isso vale pra mulheres turistas tb? Digamos, se eu vou viajar a turismo pro Egito, sei que devo usar roupam q cubram meu corpo e tal(aliás, seria adequado usar véu tb? Ou somente as muçulmanas podem usá-lo?), mas posso falar “normalmente” com os homens de lá? Eles consideram as turistas tanto quanto consideram as egípcias? =)

  3. Entendo bem esse problema de n poder ter amigos do sexo masculino. Tive q virar as costas a todos os meus amigos homens depois q conheci o habiby. Ate cumprimentar dando beijinhos no rosto e arriscado ser visto com maus olhos, nossa, ate os meus irmaos evitam me dar beijo na frente dele!
    Digamos que o egito e um profundo adepto do clube da monica e do Cebolinha, essa q e a verdade. Acho os homens la muito Hornies, sao super reprimidos sexualmente, dai eles mexerem tanto com mulheres na rua. As turistas fazem por bem se vestirem de forma mais discreta, as Cooptas nao precisam usar o veu, ja essa coisa de frequentar club em horarios separados,ou qndo qndo chega homens em casa, as mulheres se recolherem a outro comodo , isso e o cumulo de imposicao machista, onde mulheres e criancas sao tratadas mais ou menos da mesma forma, faaaaz me o favor! Gente, vc precisa nascer naquela cultura la pra aceitar, e apreciar o modo de vida la. Nao vou negar q nao tenha seus pontos positivos, baixa criminalidade, nao ha maes solteiras,adolescentes gravidas etc, mas por outro lado, a forma como a mulher e sufocada naquele mundo machista, ditatorial, e demais p as mulheres ocidentais vivendo no seculo 21, pq mts paises ainda estao e continuarao na Idade Media, em nome de moralismo,ou religiao, se dando ao direito de impor regras a populacao feminina whitout their full consent wha’t really best for them. Women in these cultures are made to belive that men have their best interest in mind, which one can totally disagree. Men rule, and women obey,period, men are the drill sargent in those societies, and women are the soldiers, have to obey the men or else. I talking about here women from both religions, no matter, they have no rights, no voice, they are only free to have lots of babies, run the household, they can study yes, but as soon as they get married and have children, they stay at home, totally dependent on the men.

    • Dolores, mais uma vez vc tem uma visão totalmente errada e preconceituosa.

      Nenhuma mulher fica presa dentro de casa no EGito, nem é assediada na rua se não estiver com o véu, como vc disse…. se ela anda de roupa curta é uma coisa, pois lá não é a cultura deles e mesmos as cristãs andam cobertas.

      Sobre o preconceito contra as coptas, não sei de onde vc tirou isso, pois no meu prédio mesmo tinha uma familia cristã e eu sempre encontrava a menina no caminho para o trabalho – ela sem véu sozinha, e eu com véu sozinha… ehehehehe acho até engraçado estes absurdos que vc fala, pois naõ tem nada a ver com o Egito!!!

  4. Eh realmente muito triste ver paises quem em pleno seculo 21 nao se tem respeito pela mulher..Que tem demais vc ter amigos homens?Eu so tenho amigos homens saiu com eles,viajamos e respeitamos muito um ao outro..isto pra minha cabeca eh falta de confianca na mulher que tem…MACHISMO
    Jamais trocaria meus amigos por um homem machista..Tem um dedalhe, a hipocrisia deles eh muito grande porque fora do Egito eles nao sao assim..Adoram fazer amizades..nao sei em que se baseiam tratando as mulheres assim,mas tem quem aceita regredir..
    bjus

    • Maria Ines, conversamos ja sobre isso.. sei que tem uma visão, mas achar que é machismo para todos é generalizar demais e não entender a cultura e a forma de pensar deles!

      assim como naõ acho que toda mulher no brasil que usa decota ou tem silicone é vazia… não dá pra ser radical nestas coisas, o ser humano tem muitos pormenores!

      beijos

      • Marina,qdo eu disse do machismo ficou parecendo que so os Egpcios sao machistas..Bom,eu quero dizer que os homens em geral sao machistas independente se sao ocidentais ou asiaticos ou Egpicios..Na minha cabeca as mulheres sao fortes guerreiras e mal dos homens se nao fosse as mulheres…Agora pense bem…lutamos tanto pelos direitos das mulheres e porque nao lutar pelas mulheres que ainda sao tratadas como um ser de segunda ou terceira categoria..AS mulheres nao precisam ser cuidadas,precisam sim,ser RESPEITADAS pelos homems de qualquer nacionalidade.
        bju

  5. Concordo com a Maria Ines no tocante a hipocrisia dos egipcios, deixam suas amelias em casa, mas na rua eles mexem um absurdo com as mulheres. As Cooptas q n usam o veu, sofrem um horror com o assedio deles, uma moca andando sozinha e cruelmente violada com palavras e olhares maliciosos , tanto e q mtas preferem nem sair, a menos q estejam acompanhadas de um homem,ou outras mulheres. Sei de uma caso, em q uma cunhada minha , gravida, ao lado do seu marido, foi desrespeitada no meio da rua na frente do pobre marido. Como ele era sozinho contra um bando de rapazes, levou o desaforo pra casa. Sim, a hipocrisia e alarmante, sao tb super galanteadores, sabem falar exatamente aquilo q qualquer mulher gostaria de ouvir. Enfim, acho q eles sao mil vezes piores do q os homens ocidentais, pq estes pelo menos deixam as mulheres serem donas do seu nariz, ter a sua voz, lutar pelos seus direitos, votar, ter amigos de ambos os sexos se assim elas desejarem. O direito de ir e vir, o livre arbitrio e um direito inalienavel do ser humano, os ofendidos q me perdoem a franqueza, mas nos paises arabes esses direitos sao totalmente ignorados, ou melhor eles nunca existiram, nem em conceito. O mais triste e ver q as mulheres naquelas sociedades se veem pisoteadas por um machismo tao exacerbado, tao radical, a ponto de n questionar a sua falta de identidade, elas acham q aquilo e o “certo pra elas”, que aquelas normas ditadas por eles “sao boas pra elas, q tem seus melhores interesses em mente” A coisa e perniciosa, a lavagem de cerebro e coletiva, uma ocidental e vista como uma galavanti, uma sem valores, uma HOOker, sei la, elas nos veem com maus olhos, com ar de superioridade, acham q tem mais valores morais do q nos, que sabem educar seus filhos, manter suas familias, etc.Sei la, pode ate ser, mas no fundo, elas se anulam totalmente como pessoa, como cidadas, imagine vc ter que frequentar um clube onde n ha homens. Nao sei pq eu me revolto tanto com o Plight de outras mulheres pelo mundo afora, acho q e pq n aceito essa coisa de ser tratada como cidada de segunda ou terceira categoria pelo Power that be, os homens! We’ve came a long way in our fight for freedom, and dignity, our rights and such, so that what i see in other societies gives me pause for concern. One gender should never trumple the other, we’re should be ecquals, we should have our voice, our right to pursue friendships with whomever we like without being judged by this or that.

    • de novo.. naõ sei de onde tirou estes absurdos de coptas sofrerem horrores….

      no Egito muitas mulhers hoje trabalham já sim, no meu trabalho que tive lá mesmo 90% das empregadas eram mulheres!!!

      beijoss

  6. Vai ver que essas mulheres e homens pensam q nos são superiores, ñ é apenas por termos amizades masculinas ou andarmos sozinhas ou c/ os cabelos ao vento. Quais as notícias q correm o mundo sobre as mulheres e homens ocidentais? Nus ou semi nas revistas, praias de naturismo, assassinato e espancamento aos filhos e pais. Valorização pelos seios maiores, glúteos imensos ou comprimento peniano. Aqui tda mulher é uma caça, “pronta p/ o abate” e tdo homem é um “playground sexual” ou financiador de vaidades. Fala sério!! Mulher ocidental é desrespeitada em tdas as idades, dentro ou fora de casa; pelo pai, irmãos, marido ou amante. Imagine na rua? No trabalho? No transporte público? OUTRA: me diz onde não tem homem galanteador, qdo quer alguma mulher? Até os primatas irracionais sabem como fazer isto. E as mulheres ocidentais? Galanteiam como? Com a imagem, claro!! Fazem coisas impensáveis qdo elas querem um espécime macho ou não. Como disse sabiamente alguém; “

  7. Vai ver que essas mulheres e homens pensam q nos são superiores, ñ é apenas por termos amizades masculinas ou andarmos sozinhas ou c/ os cabelos ao vento. Quais as notícias q correm o mundo sobre as mulheres e homens ocidentais? Nus ou semi nas revistas, praias de naturismo, assassinato e espancamento aos filhos e pais. Valorização pelos seios maiores, glúteos imensos ou comprimento peniano. Aqui tda mulher é uma caça, “pronta p/ o abate” e tdo homem é um “playground sexual” ou financiador de vaidades. Fala sério!! Mulher ocidental é desrespeitada em tdas as idades, dentro ou fora de casa; pelo pai, irmãos, marido ou amante. Imagine na rua? No trabalho? No transporte público? OUTRA: me diz onde não tem homem galanteador, qdo quer alguma mulher? Até os primatas irracionais sabem como fazer isto. E as mulheres ocidentais? Galanteiam como? Com a imagem, claro!! Fazem coisas impensáveis qdo elas querem um espécime macho ou não. Como disse sabiamente alguém; “QUEM TEM DEDO PODRE, NÃO APONTA PARA NINGUÉM”.
    Cada sociedade tem sua forma de conduzir-se, de acordo com sua cultura e religião. Cada uma tem seus prós e contra. Quem dera a humanidade tirasse proveito somente das coisas boas. Mas como o bom e o ruim são relativos conforme os conceitos divergentes no mundo, ficamos nestes atritos eternos da história humana.

  8. Recentemente, determinado autor lançou um livro em que cita os novos cavaleiros do Apocalipse: Racismo, Xenofobia, Ódio Étnico e Intolerância Religiosa. Apocalipse à parte. Alguém duvida? Cristão ou não? Do poder de destruição deles.

  9. Ola…ixi…isqueci seu nome….enfim…é a primeira vez q visito seu site…..e me ajudou muito….estou fazendo um levantamento de dados para uma pesquisa da escola, o mundo mulçumano me atrai mto e seu site é perfeito, mto real, alias totalmente…na verdade gostaria da sua ajuda!!!! se nu for pedir mto !!!!!
    vc escreve mto bem….li o post sobre o véu:interessantissimo….vc escreveria pra mim um texto, falando pq vc é mulçumana, pq se converteu, enfim seria tipo uma declaração de fé ( se é q isso existe no islamismo), ta vendo não sei quase nada, mas a pesquisa pra escola tem me dexado fascinada, quero aprender mais e mais….poderia me ajudar???? por favor!!!!!Nuss uma declaração de uma mulçumana seria a cereja do meu trabalho!!!!!

    Mil desculpas pela intromissão fik a vontade se não quiser ok!!!!

    desde jah agradeço
    bejinhos

  10. ahhhh isqueci de dizer ,, se aceitar ( tomara q sim) pode mandar no meu e-mail?
    puxa mto obrigada!!!

    e tomara q
    t+
    jah adorei te aconhecer sabia
    suas amigas falando mto bem de vc por aqui hehe
    bejus

  11. Tenho muitos amigos homens e jamais abdicaria deles por um marido/namorado. Acho q eu tentaria encontrar um meio-termo, continuando a amizade, mas nao mais com tanto “agarra-agarra”, beijinho p cah ,mao dada p lah rsrsrsrsrsr!
    Ainda bem q Anupam eh superliberal neste aspecto. Ano passado qdo estive aqui na India pela primeira vez, eu fui sozinha p Chennai encontrar 2 amigos homens (e 1 deles era assumidamente apaixonado por mim e nao escondia de ninguem). Foi supertranquilo, nem rolou nada e nem Anupam ficou preocupado, pq ele confia em mim. Eu jamais me casaria com um homem q desconfiasse de mim, acho q eu nunca daria certo com um muslim!(ateh rimou rsrsrrsr)

    Obrigada pelo post, eu tava curiosa mesmo com esse assunto! Bjos!

    • Sheila, acho que o mais fácil é seu marido ser amigo dos seus amigos, isso realmente vai ajudar na convivencia de todos!!!

      qdo nos relacionamentos com alguem de cultura diferente, temos que dar um jeitinho para que ambos os lados consigam se adaptar…. bjss

  12. Pelo menos a Sociedade Islamica eh muito menos hipocrita q a Indiana. Aqui na India, eles enchem a boca pra dizer q vivem numa democracia, q todo mundo eh livre, mas na pratica, aqui eh pior q uma ditadura:

    Nao se pode casar com estrangeiro, homossexualidade eh crime, mulher q usa bermuda , saia ou blusinha eh puta , mulher q anda sorrindo eh oferecida , mulher que sai sozinha eh mais puta ainda….

    Nesse aspecto, os indianos nao tem a MENOR MORAL p falar mal dos muculmanos. Indianos reclamam tanto da globalizacao, mas qdo entram os dolares de fora e fazem este pais crescer 10% ao ano, eles ficam bem quietinhos… cambada de povo mercenario e ridiculo.

    HOJE TO REVOLTADAAAAAA!!!!

  13. Olha, no meu caso, eu tinha muitos amigos homens de longo tempo, de infancia ate, e saimos para tomar cafe e bater papo. Quando estava para casar, eu conversei com todos a respeito de minha nova situacao, que na poderia mais dar beijinhos e nossas saidas iriam ter que terminar, mas, todos, sem excecao, como eram muito meus amigos, entenderam perfeitamente, e continuamos amizade por emails, telefone, enfim…Ao contrario tambem ja tinha acontecido, as vezes eles tinham namoradas que nao aceitavam que eles saissem com amigas mulheres, e eu entendia…tudo e questao de voce gostar de seu amigo, e querer ve-lo bem, em harmonia com o parceiro escolhido…e muito mais facil para nos, ocidentais, com os costumes mais abertos, diblar-mos essa situacao do que tentar mudar uma questao cultural tao enraizada num homem arabe. boa sorte a todas

  14. Oi marina, vc poderia falar sobre como eles encaram a virgindade??

  15. mariachiquinha

    Eu não tive muitos porblemas quanto a questão da amizade masculina. Nunca fui de ficar dando beijinhos em ninguém, pelo simples fato de ser extremamnte tímida, então meu amigos não estranharam meu comportamento enquanto muçulmana.

    Você não precisa “virar as costas” para os amigos homens, mas uma vez muçulmana ou casada com um muçulmano Porém, certas práticas comuns entre amigos devem, ser evitadas como abraços, beijinhos no rosto, certos tipos de comentários, sair juntos a noite pra festas shoppings, etc… O que eu acho super compreensível. Ou seria legal se você soubesse que o seu namorado, marido, sei la o que, fica dando beijinhose abracinhos nas amigas DELE, sai com elas no final do dia sem você ? Isso seria legal pra ti?

  16. Olá Marina!
    Achei o tema ótimo! Estou passando por isso. Tive um problema com relação a isso a uns dias atrás.
    Sempre tive muitos amigos homens, bem próximos, e sei como será difícil me ‘desfazer’ deles – se eu realmente tiver que fazê-lo.
    Realmente, pra mim que sempre achei normal esse tipo de relacionamento, via de forma muito estranho no início, mas já estou me acostumando com a idéia, e é uma forma de respeito muito bonita. (A sua história do elevador também :))
    Adorei o blog, parabéns!

  17. Marina, sei q e dificil aceitar a verdade tal qual e ela e, sem ver a pessoa q esta dizendo-a sem preconceito disso ou daquilo, entendo perfeitamente vc n aceitar jamais um ponto de vista diferente daquele fora da sua religiao, fora daquele Egito q vc diz conhecer tao bem, amar tanto. Mas a verdade e que existe um outro Egito, uma realidade cruel q e a vida dos Cooptas, falo isso com conhecimento de causa, meu marido e de la. Vc pode conhecer mto bem o Egito ismamico, nao vou negar isso nao. Uma Coopta la , jamais vai viajar num taxi de graca, ao passo que uma mulcumana, pode e acontece nao e? Vc msma postou isso no seu blog. Uma Coopta,estudante de medicina nao pode receber treinamento p ser cirurgia la no Egito, pelo simples fato dela ser Coopta. Agora ela pode treinar p isso se fora do pais, e voltando p la pode exercer a profissao de medica cirurgia, q tamanha crueldade, concorda q isso e uma imensa discriminacao ou nao? Quem tem rios de dinheiro pra estudar medicina no estrangeiro? Vc passa uma imagem de um Egito tao bonzinho, tao moralista, tao isso, tao aquilo, quando na realidade vivem por la 20 milhoes de Cooptas, q o governo tenta tapar o sol com a peneira dizendo q sao apenas 10 milhoes! Nao sei se vc sabe, ou se pelo menos se interessa em saber, de tempos em tempos eles tem suas igrejas atacadas, seus povos sofrendo chacinas em pequenas vilas, isso o mundo pouco sabe, passa fora do radar do povo. Os Cooptas [que a proposito sao os verdadeiros egipcios, estao la desde a epoca de Cristo] sao tratados como cidadaos de segunda categora pela maioria q os esmaga todos os dias, em tdas as facetas de suas vidas. Aquele calma aparente, aquele conviver pacifico e apenas pra ingles ver, e apenas superficialmente.
    Claro que as mulheres egipcias trabalham,se nao elas n comem, os homens tem q por orgulho de lado nessa questao ai. As Cooptas sao sim mto incomodadas nas ruas, ja presenciei isso la mtas vezes, e olha q a gente usa roupa tipo roupas da vovozinha, imagine se n fosse! Os homens la sao mto Hornies, sao terrivelmente reprimidos sexualmente, e um horror, n podem tocar em mulher antes do casamento, e o que da, ficam matando cachorro a grito.

    • é não sei Dolores… eu sei de problemas sim até mesmo em Alexandria de igrejas atacadas, por exemplo, mas são casos bem pontuais… ninguém é santo, não é pq alguém é muçulmano que ele é bonzinho e ponto final.

      Eu falo mais da experiência que tive com cristãos, aliás todos sempre me trataram muito bem, seja no meu prédio que tinha uma vizinha quanto na escola onde eu dava aula (aliás, meus dois alunos prediletos eram cristãos, os dois simplesmente me adoravammmm – mesmo sendo convertida do cristianismo – e com eles que aprendi mais sobre o jejum deles no Egito, os feriados e como são as tradições, pois a escola onde eu dava aula era bem aberta e fazíamos muitas discussões entre cristãos e muçulmanos, sem problemas ou ataques).

      Bom, talvez como eu lidei com estes cristãos de classe mais alta – meus alunos mesmo tinham empresas, chegavam de carrão na escola – eles não sofram problemas, pq dinheiro faz tudoooo nesta vida! Não sei como ficam mais mais pobres em vilas mais afastadas…. o que eu sei é que se uma estrangeira não convertida vai casar com alguém de uma família muçulmana tradicional e de áreas pobres, vai sofrer mtooo preconceito. Conheci brasileiras cristãs que passaram maus bocados, como até serem forçadas a se converterem só para os amigos do marido não encherem o saco. Mas pontuo: isso acontece em família mto ignorantes, aliás eu até me chocava qdo falavam isso, pq no meio q eu convivia nao tinha nada disso… não tapo o sol com a peneira, mas talvez eu conheci um Egito um pouco mais cor de rosa que o real eehheheh

  18. Ola, Marina !
    Achei o seu artigo muito interessante, o fato é que quando você se casa, a sua vida muda e independente da nacionalidade da pessoa, ele não vai gostar que você tenha muito intimidade com seus amigos homens.
    É claro que não precisa virar as costas para a pessoa, mas explicar a situação é o ideal, não se acaba a amizade, ela pode ser mantida de uma forma diferente. E se seu amigo homem se casar, ele também vai agir diferente com você, pois a mulher dele não vai gostar nadinha, se você ficar cheia de sorrisos e abraços.
    Agora se quer casar com um homem estrangeiro e não aceita a cultura dele, então é melhor nem se casar, desista.
    É uma mera perda de tempo ficar enlouquecendo com a cultura, por não saber viver e aceitar.
    O machismo existe em todo mundo, nos países da América Latina é pior, só sabe disso que não lê.
    Não adianta dizer que isso é exclusivo dos países árabes, porque não é mesmo.
    Aqui no Brasil nós mulheres não somos respeitadas mesmo, você pode sair com a roupa mais discreta, que sempre tem um palhaço te enchendo o saco, vai fazer uma viagem de trem, tem outro palhaço querendo te passar a mão, isso é bom?
    Eu não vejo nada de mais o jeito de viver dos países árabes, pelo menos la a mulher é protegida, exceto o Afeganistão, por la as coisas não são realmente boas.
    Então o conceito da liberdade não pode ser confundido.
    Os cristãos são perseguidos mesmo, é não só Egito, no Irã também são presos, são mortos e só procurar na internet, tem varias notícias. A intolerância religiosa existe só não vê que não quer.
    Eu concordo com a opinião da Maria Chiquinha, Cristiane e Angelica. Já a Dolores Leal a opinião dela em entrou em fase de delírio, realmente eu não sei o que ela quer provar.
    Afinal entre culturas existem varias diferenças, mas quando existe um relacionamento entre duas pessoas é tudo igual você acaba abrindo mão de muitas coisas.

    Beijos.
    Adoro seu blog!!

    • oi Adriana, obrigada pelo comentário!! concordo contigo, qdo a gente casa tem que saber abrir mão de certas coisas, e isso dos dois lados.. o Mostafa já aceitou tanta coisa q um egipcio morando lá nem saberia que existe…..

      aqui no Brasil tem de tudo, as pessoas falam abertamente de coisas que são tabu por lá, cada dia é um susto e nem por isso ele está depressivo ou triste no Brasil.

  19. Oi Marina,

    Concordo com a opinião da Angélica…
    Quanto a Dolores, acho que esse site não é pra agredir ninguém…beleza se ela acha o Egito que você traz é idealista, mas isso acontece com qualquer lugar… Não dá pra abarcar tudo e não é natural ficarmos “pixando” um lugar que gostamos. Acho que talvez ela não tenha lido todo o blog, mas diversas vezes você fala que conta aqui a SUA experiência, e conta coisas ruins também.

    De qualquer forma, voltando ao assunto do post, 99% dos meus amigos são homens! Sempre foram! Tenho três irmãos, fiz escola técnica, fiz Engenharia Civil, e de qualquer forma eu sempre fico mais amiga de homens.
    E com muitos dele tenho intimidade de dar beijinho, abraço, de frequentar a casa, chamar o pai e a mãe de meu pai e minha mãe… São pessoas que viveram comigo meus piores e melhores dias. Amigos com quem eu já briguei porque arrumaram namoradas que tinham ciúmes de mim, não pelo beijinho e pelo abraço, mas porque não entendiam que cada um tem um lugar especial na vida do outro.

    A diferença é que eu e meus amigos sabemos que não é necessário contato físico pra manter a amizade, tenho amigos que foram morar em outros países, tenho amigos que se casaram e a distância corporal se impõem normalmente e nem por isso deixaram de ser meus amigos. O que estou tentando dizer aqui é o seguinte, se eu precisar escolher entre o habiby e os meus amigos, Que Deus me Ilumine!, mas eu escolho meus amigos, porque foram eles que em 28 anos me ajudaram. Mas eu entendo escolher como algo muito radical, algo extremista e acho que o habiby não me exigiria isso. Se estar com o habiby significa simplesmente me afastar fisicamente de outro homem, acho isso natural…Mesmo que eu me casasse com um brasileiro eu acabaria me afastando, por respeito a ele.

    Outra coisa, nunca tive o menor problema com as amigas dos meus ex-namorados, talvez porque eu não seja ciumenta, eles sempre tiveram várias, que pulavam no pescoço deles, beijavam, abraçavam e basta ter um pouquinho de senso que você distingue direitinho quem é amiga e quem quer tirar uma casquinha ou ele todo de você.

    Pra você, Marina, eu já contei, mas queria que as meninas aqui soubessem que eu conheci meu habiby durante um campeonato internacional de futebol, onde eu coordenava a hospedagem de mais de 200 homens em um hotel e fiquei por 30 dias trancada nesse hotel “cuidando” deles.

    E eu andava de roupa comprida e larga e mexeram comigo assim mesmo, e não foram os iranianos, nem os líbios, nem os egípcios (que eram muçulmanos), quem mexia comigo e com as outras duas meninas que trabalhavam eram os mexicanos, os paraguayos, os espanhóis, os argentinos!!!!! Mas só fizeram a primeira vez e já tomaram um passa fora que passaram o resto do evento passando por mim de cabeça baixa.

    Trabalho com futebol masculino a muuuuitos anos e sei muito bem que respeito quem impõe é a gente mesma… Que me perdoem a comparação, mas todo homem é como cachorro, tenta pra ver se dá certo, mas se vc disser não ele respeita, embora alguns tentem de novo (como os cachorros).

    E posso falar, desses anos de experiência, que as equipes que mais me respeitaram foram as muçulmanas ( Emirados Árabes, Líbia, Egito, Irã, Bahrein…etc).

    E o habiby? O habiby passou 20 dias nesse mesmo hotel me vigiando, e só depois que voltou pro Egito me procurou e disse que estava interessado em mim (embora me cercasse o tempo todo aqui e me paparicasse). E sabe o que mais ele disse? Que observou o meu comportamento durante esses 20 dias com os outros homens…tremi quando ele disse isso…mas passei na prova! Mesmo cercada de homens, cumprimentando vários deles com apertos de mão e beijos no rosto.

    Mas é como você mesma me disse Marina, é o jeito deles! E a gente precisa aprender algumas coisas e ceder. Mas eles também o fazem…eu sinto isso diariamente.

    Beijos e fica com Deus!

    • Magda, é engraçado como com o passar do tempo e experiências cada hora vejo um Egito diferente…. agora vemo um Egito mais idealizado, pois me marcaram mesmo as experiências boas por lá, as pessoas maravilhosas que conheci, e fiz o blog para falar que é possível sim ser brasileira e amar um egípcio.

      Eu poderia passar os dias malhando o Egito e falando dos defeitos do Egito, mas antes teria que ter certeza que meu Brasil é perfeito para poder criticar o outro (e como estamos longe de minha, eu sou dou minhas pinceladas e foco nas coisas boas que vi).

  20. que dificil! Meus melhores amigos são homens…se me visse numa situação de afastar morreria de tristeza

  21. Gente, nao estou aqui para atacar ninguem, muito menos vc Marina, q admiro sua forma como transmite sobre essa cultura tao pouco entendida no Ocidente. Seu talento p escrever, seu jeito, classe e maturidade em abordar assuntos delicados. Me perdoe e me desculpe do fundo do meu coracao se pela forma como eu me expresso, sem mto tato e finesse. E que eu acho q liberdade de expressao e mto importante, mesmo em se tratando de assuntos toxicos tais como religiao e culturas diferentes, coisas q me parecem nunca vamos chegar a um consenso, tal e o estado do mundo hj.

    Quero deixar claro aqui q eu sou uma pessoa do bem, ainda q nao seja diplomatica na forma como me expresso, nao e, e nao foi minha intencao feri o ego, religiao, ideologia ,preferencias e culturas de absolutamente ninguem. Acho q tentei apenas mostrar um outro Egito, o da minoria Coopta, e tbm essa coisa dos direitos da mulher, nao importa o pais, a religiao, eu me importo mto com esses assuntos.Em ambos os lados, Ocidente e Oriente tem seus pontos positivos e infinitos outros negativos, vamos e venhamos. Em sintese, o importante msm e vivermos bem como os nossos habibys, sejam eles brasileiros, egpcios ou indianos, pq no fim do dia, e importante termos um apendice desses do nosso lado, q importa de ondes eles vieram?, Ah as diferencas culturais, eles tbm sofrem qndo casam com Firangues estrangeiras, nao?
    Bom, peco desculpas a vc Marina, e a todos q eu possa ter ofendido em forma e grau. Mea Culpa, mea maxima culpa.
    Beijos.

  22. Gostei do seu blog. E’ interessante ver que o amor nao tem fronteiras e que resiste às diferenças culturais. Meu namorado é italiano, foi mais facil a integraçao por sermos “ocidentais”.
    Andei lendo outros textos que voce publicou e gostei de um em que voce fala que seu marido conta para os outros o que gostariam de ouvir. Aqui na Itaia quando falo que sou brasileira, todo mundo me diz que nao pareço brasileira (por ser clara). Também ja ouvi cada pergunta! Bom, acho que voce deve ter passado por situaçoes semelhantes, nao?

  23. É incrível como muitas mulheres gostam de usar a palavra “machismo” sem, ao menos, parar para pensar… Um pequeno exemplo disso, entre muitos, principalmente quando se está discutindo as regras Islamicas, é quando se aborda assuntos envolvendo as relações sociais entre homens e mulheres e seus impactos na sociedade em geral (que são muitos; não sejamos hipócritas!), não apenas na vida particular de cada um.

    – Assim como mulheres não podem ter amigos íntimos do sexo masculino, homens não podem ter amigos íntimos do sexo feminino;
    – Da mesma forma que mulheres não podem frequentar clubes (piscinas) junto com homens, homens não podem frequentá-los junto com mulheres também;
    … (a lista me parece infinita)

    É só questão de pensar um pouco, nem precisa muito!

    • sim.. tudo que é válido para mulher, é para o homem também!! Eu já falei antes, virgindade também é para os homens…

      Mas para mim o maior preconceito é achar que alguém não pode ser feliz seguindo uma religião que sim, valoriza a família e evita que homens e mulheres não casados tenham intimidades!

  24. Salam, Má!!!

    Olha eu aqui de novo! 🙂
    Resolvi comentar porque tenho lido uns certos absurdos de pessoas que não pensam nem um pouquinho antes de falar… Cultura machista e lavagem cerebral? Sinto muito, Dolores, mas quem não está pensando é você… Sou brasileira, me converti ao islamismo aos 28 anos e uma das coisas que mais me chamou a atenção quando comecei a estudar a religião é o respeito que se tem pelas mulheres. Se nós andamos cobertas é porque nosso corpo não é mercadoria, pois aqui é isso que as mulheres se tornaram, sem nem perceber… ficam numa corrida louca pra perder um 1kg, aumentar/diminuir seios e glúteos, gastam horrores pra ficar com o cabelo liso se isso é o que está na moda. E tudo pra quê? Pra chamar a atenção de homens… E sinto muito, quem se mostra dessa forma pra um homem, inevitavelmente vai ser usada e jogada fora… Por isso que tem tanta mulher infeliz e não realizada por aqui, pois, mesmo que tenha a melhor das intenções (um relacionamento sério, família, etc.), foi condicionada a pensar que assim é que vai conquistar um homem… Pra mim, isso sim é que é opressão…
    Sim, lá boa parte delas não trabalham, mas quando não o fazem é porque simplesmente não querem, pois elas dão valor a ficar em casa e ser paparicadas, sim… Muitas fazem uma faculdade super puxada com a única intenção de encontrar um marido com o mesmo nível cultural, mas nunca nem pensaram em trabalhar… Minha cunhada é um exemplo disso, fez uma ótima faculdade, e nem procurou trabalho… Hoje está feliz da vida com um marido que a ama e uma filhinha linda de 11 meses que é tudo de bom (hehehehe)… Mas se precisarem trabalhar, pra ajudar na casa, não tem problema nenhum… E, caso vc pudesse escolher, não seria bom? Eu, particularmente, que sempre trabalhei pra caramba, ficaria feliz se meu marido pudesse cuidar de tudo, principalmente quando eu tiver filhos, pois pra qualquer mãe deve ser dolorido deixar um bebê de 6 meses (ou menos) na creche… E muitas de nós precisam passar por isso, não tem jeito… Enquanto não é possível fazer diferente, vamos os dois batalhando juntos nesse início de vida, qual é o problema?
    A questão principal, a meu ver, é que aqui esses assuntos relacionados a casa, família, filhos foram super desvalorizados, uma mulher que se dedica a isso é vista como acomodada, desatualizada, até inútil… E família, casa, filhos são coisas muito importantes, são a base emocional e social de todos, e a diferença é que em países islâmicos isso ainda tem seu devido valor… Sei que abusos acontecem, mas isso em qualquer lugar do mundo… E saiba que os maiores números de estupros e violência contra mulher acontecem nos países ocidentais, veja-se, aqui no Brasil, a necessidade de edição da Lei Maria da Penha… só não vê quem não quer…
    Quanto à perseguição religiosa, sei que abusos também podem acontecer… Mas, o que ficou mesmo marcado na minha cabeça, foi um vídeo de duas mulheres egípcias, que eram coptas, converteram-se ao islamismo e se casaram com muçulmanos, pedindo, pelo amor de Deus, aos familiares cristãos que as deixassem em paz, pois já estavam sendo perseguidas durantes anos e tinham sido juradas de morte… E os diversos outros casos de mulheres que se converteram, e, após muito tumulto, simplesmente desapareceram? Tudo isso é lamentável, de ambos os lados, mas acho melhor vc se informar um pouquinho antes de colocar sua opinião de forma tão unilateral…
    Até mais!!! 😉

  25. Estamos em uma época q uma mulher ser mãe, esposa e dona-de-casa é tida como ou parasita do esposo ou uma fraca q ñ vai em busca de seus sonhos. Ñ admissível ou compreensível q ela na verdade ñ seja nenhuma dessas coisas, q esteve feliz no projeto d vida dela, q se sinta realizada dentro do lar, q viva em função dos filhos , do esposo e dela tbm,claro!! A mulher é desvalorizada na nossa sociedade se decide por esse caminho, muitos maridos e filhos a querem dando conta da casa e contribuindo financeiramente. Em uma sala d espera certa vez, ouvi uma senhora perguntar a outra: “Você trabalha onde, minha filha?” =>”Em casa mesmo.”=>”Como costureira?”=>”Não.”=>”Ah, em casa de família, né?”=>”Não, sou dona-de-casa, mãe e esposa.”=>”MAS, MINHA FILHA! VC TÃO NOVA É FORTE!! PROCURA ALGUM SERVIÇO, FAZ ALGUMA COISA DA VIDA.” A mãe, esposa e dona-de-casa já “bege”, respondeu: “Minha senhora, eu já faço alguma coisa da minha vida todo dia com um lar, marido e 3 filhos.” A dita sra ñ contou pipoca e saiu com esta pérola: “MAS ISSO Ñ LEVA A NADA, MINHA FILHA! O Q VC VAI FAZER D SUA VIDA QDO SEUS FILHOS CRESCEREM OU SEU MARIDO TE TROCAR POR OUTRA??” Eu q nada tinha a ver c/ a conversa pedi “licença” bem alto e sai da sala, antes q eu abrisse minha boca. Tornou-se vergonhoso ser mãe, esposa e dona-de-casa “apenas”, o q na verdade ñ ééééé pouca coisa. Quais os resultados??? Quem sabe ler, ouvir e tem o minímo de inteligência entende o q estou a falar. bjs

Deixe um comentário e vamos interagir!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: