Namoro e noivado no Egito


Oba, finalmente estou aqui.

Hoje quero falar de uma coisa que é diferente no Egito: o namoro. Mas antes de falar disso, é bom que todos saibam que falo de uma maneira geral como as coisas são por lá, pode ser que tenha gente que faça diferente, cada casal é de um jeito e não dá para generalizar 70 milhões de egípcios em um post só.

Pois bem, muitas pessoas me escrevem perguntando sobre seus relacionamentos, como fica a troca de carinhos no Egito. Apesar da maioria das brasileiras ficarem felizes com uma proposta de casamento vinda de um egípcio, existe um grupo que não aceita se casar sem antes ter muita certeza do que quer. E como nos preparamos para o casamento no Brasil? Namorando.

Só que não existe este tipo de namoro que conhecemos aqui no Egito. Lá, podemos dizer que 90% dos casamentos acontece num acordo mais familiar do que somente do casal. É difícil uma história de alguém que se conheceu num curso, na escola ou faculdade, se apaixonou, namorou e depois noivou. Muitas vezes, o rapaz ou moça se interessam por alguém e aí arrumam alguma forma das famílias se encontrarem e conversarem, para ver se o noivado pode ser arranjado.  Outras vezes, as próprias mães vão indicando jovens livres para os casamentos, marcando encontro entre as famílias para ver se os dois se aceitam e se as famílias têm objetivos comuns entre si.

Vou dar um caso prático, pois pode ser que vocês não estejam entendendo nada:

Mahmoud está na faculdade de Medicina e conhece Noura, uma colega de classe que ele acha bonita e inteligente. Depois de uns meses de amizade e convivência na faculdade, ele acha que ela poderia ser uma boa noiva. Antes disso, ele não disse nada explicitamente para ela, nem propôs namoro ou algo íntimo nada. Pode ser que tenham conversado pelo msn, trocado mensagens pelo celular e ido a cafés juntos. Isso já mostra que os dois se gostam e, usando uma palavra ocidental, estão namorando, mesmo que ele nunca tenha nem pegado a mão dela.

Pois bem, chegando a conclusão que ela é legal, Mahmoud vai e conversa com sua mãe e pai, dizendo que quer tentar noivar a Noura. A mãe de Mahmoud fica empolaga e liga para a mãe de Noura para marcar um encontro entre as famílias.

No dia do encontro, a família de Noura prepara uma bela janta. Noura está bem vestida e espera feliz pela visita, pois ela sabe que isso é uma proposta. A família de Mahmoud chega e são recebidos calorosamente pela família dela. (Muitas vezes as famílias chegam neste ponto quando já se conhecem ou tem alguém conhecido em comum, que diz que a outra família é boa… raras vezes as famílias se conhecem sem nenhum elo anterior).

Depois da janta, as famílias começam a discutir, todos juntos na mesa, com irmãos juntos também, o que cada família dispõe e pensa de um futuro casamento. A família da noiva diz que vai dar as mobílias do quarto, da sala e parte da festa. A do noivo diz que tem um apartamento em determinada área e paga a festa do casamento, mas que não quer pagar o resto da mobília da cozinha. Está criado o impasse.

Noura também não quer morar na área em que Mahmoud tem um apartamento. As famílias discutem sobre o que cada uma quer dar, mas a tal mobília da cozinha continua sendo um problema.

Eles se despedem e a família de Mahmoud volta para sua casa, sabendo que não haverá noivado ali. Sim, por conta de às vezes um detalhe simples, como quem vai dar o fogão, um propenso noivado acaba no Egito.

De volta à faculdade,  Mahmoud se afasta de Noura e deixa de ir aos cafés sozinho com ela. Ela também faz de conta que nunca o conheceu tão de perto antes, e ambos seguem seus caminhos, em busca de um noivado melhor para cada um.

***

Já conheci casais no Egito que se conheceram em situações aleatórias e realmente se gostaram, amaram mesmo. Eles namoravam também assim, indo em cafés, restaurantes juntos, conversando de forma romântica no telefone, trocando presentes de dia dos namorados com corações e coisas fofas.

Assim que o homem já tem alguma condição, a primeira coisa que ele fez foi procurar a família da moça para noivar. Alguns conseguiram se casar, outros não, simplesmente porque a família não concordou, apesar do amor.  Já vi casos de um homem ser proibido terminantemente de se casar com a namorada porque a família dele não gostou do jeito da família da noiva. Não teve jeito, ninguém no Egito casa escondido ou contra a família. Isso é muito raro, não conheci casos assim, pois os dois acabam desistindo do amor sim, em prol da escolha familiar.

Bom, falei tudo isso, para que quem esteja se relacionamento com um egípcio pense duas vezes antes de querer apenas namorar. Pois se não houver um comprometimetno dele e aceitação da família, pode ser que vocês fiquem anos juntos e no final não dê em nada. Então antes de querer conhecer muito bem o moço e fazer “test drive” com ele, pense que você pode amar ele de verdade, se apaixonar, e depois ser descartada pois a família não aceitou. Melhor seguir os passos deles, tentar ser aceita pela família primeiro antes de se entregar como num namoro aqui do Brasil. As coisas lá acontecem em ordem diferente daqui. Mesmo que você noive e depois desista, é melhor ser assim do que se entregar 100% a uma paixão por um egípcio que você não sabe se poderá se concretizar depois.

Bom, com tudo, esta é minha opinião! A vida é de cada uma de vocês e as escolhas também…

Fiquem com Deus!

Anúncios

Sobre Masr culinária mediterrânea

Encomendas para Zona Oeste e Centro de São Paulo. Outras localidades sob consulta. Como trabalhamos com matéria-prima fresca, o ideal é que pedimos sejam feitos com antecedência.

Publicado em maio 13, 2009, em No Egito e marcado como , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 34 Comentários.

  1. Gostaria de escrever algumas coisa aqui, que ajudariam muito a todos. Mas ainda não me sinto preparada. Sem contar com o julgamento ora ferino, ora ingênuo de algumas pessoas. Por enquanto, quero dizer q toda experiência, armadura e sinais de alerta, não nos protegem. Quando palavras bonitas e projetos coerentes batem a nossa porta. Pois, quem não deseja um companheiro bom filho, marido, esposo, pai e temente a Deus?

    • É angelica, sei o que vc está falando… é difícil lutar qdo a paixão vem em primeiro lugar.. posso dizer mil coisas, mas serão apenas conselhos… e no fogo os conselhos se queimam rapidinho!!!

      Gostaria que todas as pessoas tivessem a mesma experiência que eu tive no Egito.. mas sei que me encaixei muito no tipo de estrangeiro que eles gostam mesmo, por isso tudo para mim foi bem mais fácil! Mas nem todos tem uma mentalidade mais parecida com os egípcios, e é difícil entender as diferenças…

      beijos e tudo de bom pra vc

  2. eh sim.. no fim a familia pesa muito.. =(

  3. É difícil entender as diferenças. Mas acho que a questão não ´entender e sim respeitar. Pra mim esse modelo de namoro/noivado é surreal, pra mim. Mas o amor não deixa de ser uma construção. Uma série de culturas acreditam nisso, e tem o seu sentido.

    Acho que no caso dos árabes, no geral, muitas mulheres se sentem atraídas pq o “chaveco” é outro, mais galanteador e muito diferente do que se ouve no Brasil ou Europa. Elas acabam se deixando seduzir e ingenuamente ignoram diferenças culturais e religiosas. Fora isso, tem muiiiiiiiiiiiiiiita mulher desesperada pra arranjar márido, afinal, no ocidente, ou oriente, mulher que não casou e teve filhos não é mulher de verdade!

    bjs

  4. E continuuuua o bom e velho “SHOW” das perólas da ignorância…. Afsss….

  5. Salam,

    A família é importante sim, mas se o amor é verdadeiro eu acredito que, por um “fogão” que seja, o relacionamento não acaba, até pq o casal pode arrumar alternativas para resolver as pendências e impasses entre as famílias e superar tudo!!!
    Mas cada caso é um caso…………

  6. Olá!
    Marina, eu acho que quem embarca em um relacionamento com um estrangeiro, seja ele egipcio ou de outra nacionalidade, deve estar ciente que as regras de conduta são outras. Se a família “casa” junto e você já sabe de antemão que é assim, então fique com os dois pés no chão e não vá querer mudar uma cultura da noite para o dia. Acho que os acertos são possíveis sim, como em um casamento entre pessoas de um mesmo país, mas serão mais complexas com certeza. E o importante é não achar que vai ser diferente só porque é com você. E você disse bem; corre-se o risco de ser descartada ao final. E é bom saber disso.
    Mas penso também que pode dar certo e que se o estrangeiro for honesto e estiver mesmo apaixonado ele fará de tudo para “construir pontes”.
    E seja benvinda de volta, querida.

  7. Angélica, minha flor. (sem ironias, viu?)
    Por favor, onde está o festival de ignorâncias?Talvez, vc não tenha interpretado direito o texto.

    bjs
    juli

  8. Achar q somente é mulher de verdade, aquela que casa e tem filhos é muita imbelicidade, seja de norte à sul, de leste à oeste do planeta. Pois, esses parâmetros são deveras cruéis, descriminadores e preconceituosos. Muitas casam por status, outras tem filhos p/ garantir uma graninha, algumas são capazes de procriar sem jamais sentir o amor materno, quantas são estéreis e salta aos olhos seu amor por uma criança. Agora quem disse que arranjar marido é ruim??? Agora a questão é que tiiiipo de marido, não? Homem-cachorro-reprodutor está chovendo e brota do chão até em época de estiagem. Homem de conto de fadas também é outra barca furada, só vive no mundo dos sonhos e de lá somente pisa fora na hora de papar o alimento que a esposa coloca na mesa. Afinal, nenhum serviço é bom p/ ele a não ser o de galã da vizinhança ou TV.
    Então, como um milagre surge um sujeito hetero, educado, romântico, apaixonado, cheios de planos para uma família feliz… mas surge também a castradora família que discute bens materiais como a decidir o destino de duas mercadorias na feira, no mercadão. E nem lembram dos sentimentos do casal?! E maaaais os pobres coitados que estrangulem seu amor, virem as costas um ao outro e aguardem os próximos candidatos com suas interesseiras famílias, a concordarem ou não com os bens e valores designados p/ cada família e noivo. Dá p/ acreditar que tds esses casamentos arranjados os noivos se amavam mesmo? Ou era imposição da sociedade?

  9. Gente, ja fui casada com homens de quatro nacionalidades diferentes, e atesto p voces galera feminina do brasil, q os egipcios sao os melhores amantes, os melhores provedores, os mais generosos. O primeiro era um brasilieiro, bom coracao, n me cobrava nada, eu tinha td liberdade do mundo, porem ele era um Don Quixote a procura de moinhos de ventos. O segundo, um hispanic, caliente porem mulherengo, cachaceiro, gostava de farra, vivia p o hj, e o amanha q se danasse. O terceiro,um portugues, super trabalhador, limpinho e cheiroso, porem super muquirana, arrancar qualquer dinheiro daquele ali era como arrancar dentes sem anestesia. Entre os quatro o meu habiby da de dez a zero neles.

  10. Angélica, nos concordamos…rs…
    Eu não concordo com essa idéia, só disse pq ela é amplamente disseminada até hoje. Tbm acho esse parâmetro cruel, mas vai me dizer que ele nao existe? VC acha que não tem esse peso que a mulher deve ser mae e casada? Triste, mas é e não só no Brasil, em diversos lugares do mundo. Claro que entre pessoas instruídas e grandes centros urbanos isso já é um pouco menor. Claro que as coisas têm mudado, mas acho que estamos anos luz do ideal. O importante é que caminhamos pra isso!

    Não sou contra o casamento, cada um faz a escolha que achar apropriada. O problema é o desespero em casar e ignorar quem é o noivo…O foco é casar e não com quem casar.

    Flor, eu não concordo com casamentos arranjados. Mas tbm não posso generalizar e dizer que todos são fadados ao fracasso. Algumas pessoas realmente acham que a opinião da família é a mais importante, então pra elas, talvez seja um prazer respeitar isso. Mas eu acho triste, pq nesse molde, o casamento é uma comunhão de bens entre famílias.

    Um caso de uma conhecida. As vezes a moça já está ficando mais velha, beirando os 30, não tem posses e daí se vê aceitando o menos pior que aparecer. Só pra não ficar sozinha, o casamento era a independência dela e o cara nunca fez objeção com o trabalho etc. Foi uma boa escolha?Não posso julgar, hoje ela diz q é feliz. vida dela, eu só posso ouvir, mas as escolhas não são minhas!

    bjs

  11. Ola….como sempre polemico o post…eu particularmente adoro posts assim..
    Bom,quero deixar claro que nao me relaciono com nenhum Egpicio alias nunca me relacionei so tenho amigos,e realmente nao posso falar deles,porque a vida que eles levam eh totalmente ocidental..Achei engracado estas familias fazerem o acordo da mobilia…Mas e o noivo nao entra com nada?ele nao poderia no caso comprar a cozinha?veja bem…se termina por um fogao imagina se estivesse casados que tragedia seria a vida deles..
    Genteeeee me escute…casar com pobre eh pedir esmola pra dois…como vc pode casar com um homem de qualquer nascionalidade que nao tem condicoes de mobiliar uma casa pra vc sem depender dos pais..outro detalhe,todos gostam muito que a cultura deles seja respeitada e a nossa como fica?Os pais brasileiros nem o casamento assistem e tem que engolir..
    Vamos valorizar nossa cultura…nossa cultura nao eh ir casar no estrangeiro..os pais brasileiros tambem querem ver suas filhas vestidas de noiva e conhecer bem os futuros maridos,mas ele em nome GRANDE PAIXAO sao colocados de LADO e tem que engolir mais este SAPO da vida..
    Realmente pais brasileiros sao os melhores e aceitam isto por amor aos filhos….Pais brasileiros nao negociam suas filhas em nome de CULTURA..
    bju

  12. Marina.Não quero pagar minha língua (ops! Quase eu paguei uns meses aí atrás), mas não me meto nesse bolo nem a pau.

  13. Antes só do quer quebrar a cabeça….
    Essas coisas de amor para mim já são meio (totalmente) utopia imagine me esforçar a esse ponto.
    Ps: Não existem duas Marinas no mundo nem 2 Mostafas.

  14. O meu habiby quebrou algumas tradicoes na cultura dele casando -se com uma firangue brasileira , divorciada, agnostica, avessa a ter filhos, de fato n tive por opcao. Sua mae qndo era viva nunca me aceitou, nunca gostou de mim e vice-versa. Sua unica irma a msm coisa, mal nos suportamos,ela e manipulativa, controla e explora os irmaos feito uma sanguessuga, apesar de ter marido. O jeito do povo por la e demais p o gosto ocidental, pouca ou nenhuma primvacidade, eles sao super pegajosos uns com os outros, grudentos demais p meu gosto. Minha cunhada vem todos os anos, fica hospedada na minha casa, e passa a agir como se fosse a dona, faz o que quer, cozinha o que quer, monopoliza o meu habiby de A a Z, me ignora de tal forma como se eu n fosse a dona da casa, a esposa do irmao dela. Eu evito briga pq ele tem medo dela, alem disso sao carne e unha, como gemeos, parece q ela so se sente feliz ao lado desses irmaos. Essa coisa de casar com estrangeiro e mt complicado gente, a comecar pela comida, o meu habiby nao suporta nem o cheiro de feijoada, e eu odeio o fedor de Fecir, um peixe literalmente podre que eles comem, q o ar na casa fica estragado durante no minimo uma semana. A forma como os parentes exploram os de melhor condicao, descaradamente, outro choque, e em varios aspectos seu jeito de viver e pensar e mt bizantino. Essa coisa de filhos, eu dei foi sorte, ate hj nenhum deles tem tocado nesse assunto na minha cara, pq eu n tive filhos, mas sei q a pressao e mt grande p mulher ter filhos, e de preferencia varios. Gente, as mulheres egipcias sabem ser Bitches como nenhuma outra, prova disso e a minha cunhada, a infeliz, desejo q ela seja comida por um crocodilo do Nilo, e q depois venha um outro crocodilo e engula o crocodilo q a comeu, assim eu tenho certeza q o pesadelo n voltara p me assombrar.

    • ai Dolores, vc fez meu dia mais feliz… eu tive um ataque de risos muito grande que meu marido até perguntou se eu tava louca…. essa do crocodilo me matou eheheeheheh

    • kkkkk
      muito bom seu comentário, Dolores!

    • pierangeli eu vou ao

      amiga Dolores eu agora estou com medo dessa verdade sua ,pq eu vou ao Cairo conhecer um rapaz que eu to apaixonada faz 6 meses,e agente conversa pela camera..ele muito maravilhoso,ele não tem posses,eu tenho,pode surgi então um casamento de interesses por parte dele e da familia????estou insegura tenho 23 anos ele 25…

  15. Eu, héin!! Com uma cunhada dessas, teu habiby tem q valer muito o martírio. Dolores, bota a boca no trombone e faça valer sua posição de esposa. Estabeleça o canto dela, que é de irmã. Ela é dona da casa DELA e vc querida, da SUUUUA. Desculpa, sei q é fácil viver a vida dos outros, antes de pegar o peso do problema. Sorte sua, morar longe dessa bruxa.
    P/ A JULI: Desculpas, pela minha precipitação nas palavras…
    Espero que sua cabeça, não funcione como a da maioria q falei. Existem milhares por aí q também ñ pensam assim, mas as cobranças sociais e familiares manipulam de tal forma as mulheres, que elas se rendem. Por cansaço, por falta de opção, c/ medo de ficar p/ titia(como se fosse algo tenebroso), medo da solidão, de que não tem qualidades que a ninguém atraem… AAfsss!! Não faltaria exemplos à expôr aqui. Juli é de dar dó!! Aceitar casar por essas condições? Isso qdo o dito cujo não é um parasita, espancador e bebum de 1a. linha. É de causar mais dó ainda, quando essas mulheres encontram alguém q parece corresponder as suas expectativas e nos primeiros meses, ele é capaz de enfrentar o mundo por ela. Faz a coitada acreditar que será aceita pela família dele como é (verde, rosa, loura, morena, gorda, magra, baixa, alta, pobre ou não, qualquer religião q seja a dela). Até entrarem suas belas famílias mercadoras, na vidinha cheia de amor e projetos deles…E AÍÍ ?? AAADEUS. Por um fogão, uma pintura, uma jóia, um buffet etc, etc…que os papais e mamães ñ concordaram. OS APAIXONADOS QUE ENTERREM SEUS SENTIMENTOS E MORRAM DE DOR, E AI DELES SE QUESTIONAREM!!!
    Óbvio que eles aceitem isso c/ muita naturalidade, afinal ééééé a cultura deles; e todos os povos teem a sua própria. A nossa também tem muito que escandalizar horrores pelo mundo afora. Mas, particularmente considero muito triste e cruel. Se ofendi ou critiquei alguém. Peço que me desculpem, por favor.

  16. Ah Angelica, vc q n sabe, comprar briga com a minha cunhada e como cutucar o capeta com vara curta. Meu habiby ja deixou bem claro p mim, q se brigar com a irmazinha dele, q ele ficara do lado dela, que “sangue e mais grosso do que agua”. Esta obvio aqui q eu sou a “agua” e a infeliz, claro e o sangue! Onde ja se viu uma coisa dessas? Eu sempre imagino q a esposa tem q vir em primeiro lugar ate numa briga com a sogra, nao aqui em casa.
    Angelica, eu engulo mt sapo dessa infeliz pq o meu habiby e imensamente bom qndo eu comparo ele com uma infinidades de maridos da vida por ai, nao troco ele por marido de amiga nenhuma, q a proposito veja aqui o q elas engolem: vicio em jogatina, bebum, mulherengo, mal sucedido na vida, gordos, pancudos, grossos, e os aparentemente bem sucedidos e “finos” mts tem um pe na cafajestice. O meu n e nada disso, nunca pos um cigarro na boca, o negocio dele e o trabalho, casa e igreja aos domingos, e amavel ao extremo, excelente provedor, inteligente a beca, tem atingido uma grande medida de sucesso na vida, e por isso e outras coisitas mas q engulo a infeliz da irma. Que por infelicidade vem aqui todos os anos e fica na minha casa de 2 a 3 meses. Ela tem marido mas n tem casamento, vem aqui paparicar os irmaos e ao msm tempo enfiar a mao no bolso deles descaradamente, mais o meu esposo do q o outro irmao, nos n temos filhos, entao ela se coloca no lugar da ‘filha q n tivemos” e ruim? E tem mais, ela odeia cachorro, q os egipcios, seja cristaos ou mulcumanos , o negocio deles la e gato, jamais cachorro. Pois bem, no inicio … ela teve o descarate de pedir ao meu marido p amarrar a pobre da minha cachorrinha poodle, a coisa mais fofo do mundo, na perna da mesa de jantar! E assim ficava ate o meu marido voltar pra casa as 18hrs! Eu ia trabalhar, saia mt cedo e chegava super tarde, nao sabia de nada, mas um dia a noticia chegou aos meus ouvidos, ai vc pode imaginar q a coisa por aqui teve tao feia q quase deu em divorcio. Desde esse dia ela nunca mais fez tal coisa, pq eu faco questao qndo ela esta por aqui, eu fico em casa tbm, apesar de ser um purgatorio, mas p manter os olhos na naja.Que aquela ali e capaz de dar qualquer coisa p minha chachorra comer e mata-la tipo chocolate. Nao confio na infeliz, no inicio do nosso casamento, ele disse ao meu habiby, “porque vc n vai deixa esse “lixo” no msm lugar onde vc encontrou, e vem casar com a pessoa q temos aqui p vc?” Ela e sem tirar nem por aquela velha mae do Opashe na novela Caminho das Indias, pena q a minha dispensa n tem chave, senao com ela aqui, eu faria questao de carrega-la no pescoco, deixasse ela vir me implorar qndo precisasse de alugma coisa.

  17. Fiquei curiosa, quando fala em família, fala em pais e irmãos ou é extensível a tios, tias, primos e afins?
    Beijos
    Cris (Portugal)

  18. Ah gente, so mais uma coisinha, quem de voces algum dia for passear na terra dos Faraos, e ver por uma bruxa numa enorme vassoura, nariz bem compridao, e botas de pontas mt finas voando pelos ares do egito, nao se ponham a pergurtar . Quem e? Quem e? Eu de ja lhes respondo. E a minha cunhada! E a minha cunhada!

  19. Marina,

    achei o post deveras interessante.

    Não aguento viver nessa agonia de me relacionar com um cara lááááá no Egito, mas também não consigo evitar… E lendo seu post, minha cabeça martelava, eu namoro ele, eu namoro ele….fora o pedido de casamento que quando eu penso muito me dá enxaqueca….

    Tô acostumada com brasileiros mentirosos ou sinceros demais e não sei lidar com o habiby!

    Ele já tem um apartamento pra gente…E por incrível que pareça fiquei chateada…como assim nem a minha casa eu vou poder escolher.

    Quanto aos comentários da Dolores, que me fizeram chorar de rir…eu admito que não tenho medo da hamaty, tenho medo das 4 cunhadas e principalmente da mais velha… Medo…muito medo!

  20. De antemão, Magda. A sua vontade só conta na hora de escolher que jóia quer ganhar…o resto quem decide são os pais dele, o noivo baixa a cabeça e obedece. E reze ou ora p/ vc cair nas graças da família dele. Leu o texto da Dolores Leal? Ele pode ser cheio de amor e projetos, mas os costumes e a cultura de lá vai falar mais alto que tudo. Pesquise bastante mesmo, fique estafada de informaçoes. Vc não faria o mesmo por um brasileiro? imagina alguém tão distante!! Que sobre vc caiam as bençãos à la Marina e Mostafá, q ganharam ambos suas almas gêmeas e de bônus suas famílas amam a ambos. Como diz o título do blog:um amor possível, não somente entre eles, mas entra suas famílias. Deus te ilumine, dê sabedoria e discernimento, são os votos de sua amiga. Se td der certo? Pois seja muuuuuito feliz e nos dê notícias, ok?

  21. Olá Marina,
    esse é um assunto muito delicado, mesmo, e muitas mentes brasileiras não conseguem acompanhar.
    Acredito apenas que é uma forma diferente de tratar as relaçoes amorosas e se estamos apaixonadas por uma pessoa que tem esse tipo de costume, devemos tentar entender e respeitar.
    Eu, pessoalmente, acho maravilhoso. Acho de um cuidado extremo. O único medo é não ser aceita pela família! hahahaha (você já escreveu sobre isso?)

    Grande abraço!

  22. Assalamu aleikum, Má!!! Welcome back!!! 😀
    Olá meninas!!!

    Resolvi comentar porque esse é um assunto complicado e, como a Marina sempre diz, não dá pra generalizar mesmo…
    O fato é que não dá pra falar que sempre é a família que estraga… É claro que a família lá é importante, mas os possíveis noivos também normalmente têm essa mentalidade… Exemplo: Uma garota conhece um rapaz, fica super apaixonada, diz pra todo mundo que tá amando… e, de repente, o moço não tem condições de comprar pra ela umas jóias bem grandonas ou o apartamento de 100m² no bairro que ela deseja… de repente o noivado se desfaz e amor acaba!!!!! E é possível que ela pense que, por isso, não foi devidamente valorizada…
    Outro exemplo: um amigo de meu marido deixou de casar porque a família da noiva não aceitou montar o quarto do bebê!!! E lá não é como aqui, que muitas casam com o bebê já encomendado… Como a Marina falou, o normal é não haver contato físico antes do casamento. Então, eles nem sabiam se realmente teriam filhos, ou se ia demorar… mas o casamento acabou por isso…
    É claro que há exceções. Eu e meu marido nem fizemos festa de casamento, pra que ele pudesse vir pro logo pro Brasil (estarmos juntos era mais importante pra nós, é claro), a família dele é maravilhosa, é um amor recíproco… Talvez porque, como a Marina disse, meu modo de pensar e agir é parecido com o deles. Tem outros amigos dele que acham bom casar com estrangeiras, pois elas são dispostas a começar uma vida do nada, com os dois batalhando juntos, sem esse monte de exigências bestas… há casos e casos… mas, para uma egípcia, isso é praticamente inaceitável, raras são as que pensam ou agem de forma diferente… e muitos homens tb são assim… e muitas vezes o “amor” acaba por causa de um faqueiro.
    Quanto a se jogar de cabeça em um relacionamento, preciso fazer uma observação: enquanto aqui namoro é normal, e sexo sem casamento ficou banalizado, dificilmente um homem oriental vai levar a sério uma mulher que aceitou dormir com ele sem casamento (digo oriental pois leio alguns blogs de meninas que se envolveram com indianos tb, e percebo que há muito em comum no comportamento social). E antes que venham com essa conversa de que os homens lá são machistas e tal, hellooooooooo, os homens daqui fazem a mesma coisa, ou vcs acham que eles não classificam as mulheres em “pra casar” e “só pra sair”?
    Então queridas, valorizem-se… Mulher não é carro, pra um homem ter que fazer test drive antes de levar pra casa… Seja aqui ou lá… É minha opinião. 🙂
    Ahhhh, quanto às mulheres que ficam desesperadas pra casar e aceitam qualquer coisa, sei que há muita pressão social mesmo… Mas acho que não é só isso… acho que faz parte da nossa natureza, a maioria de nós quer ter uma família, o relógio biológico começa a gritar querendo filhos… E todo mundo quer ser amado e aceito, e quer ter alguém pra cuidar e chamar de seu. Ter esse desejo não é ruim, é perfeitamente normal… O problema é quando a vontade é tanta que cega as pessoas, que passam a se arriscar em qualquer relacionamento, e pintam a realidade de cor de rosa, sem perceber alguns sinais óbvios de que de, inevitavelmente, a vaca vai pro brejo.
    Beijos, Má!!!
    Até mais! 🙂

  23. Ah…lembrei…
    Sabe uma das coisas que fez com que eu percebesse que o habiby estava realmente interessado em mim? O fato de ele me tratar dentro da cultura e tradições dele!
    Coisas que seriam normais para mim, como tocar na minha mão ou ficar sozinho comigo no meu escritório, ele evitava deliberadamente, e são nessas coisas pequenas que percebemos o carinho e atenção do outro.
    Embora isso geralmente vire motivo de chacota para quem olha de fora.
    Eu admito pra vocês todas que pra mim não é nada fácil me entregar a essa relação.
    Se você fica conversando com um brasileiro, um americano ou um europeu durante muito tempo pela internet e nada físico ocorreu, ou você acha que ele é só seu amiguinho ou acha que ele é afeminado. E por mais que eu saiba que a cultura do habiby é diferente, você geralmente vê o mundo de acordo com os seus próprios valores, pela sua própria “lente”. E achava que ele era meu amiguinho. Segurava meu coração que fica a galopes quando falo com ele, me dizendo que era bobagem isso tudo.
    E foi graças ao Blog da Marina, a minha prima que o conheceu também e a algumas amigas minhas filhas de árabes e libaneses que me convenci que um muçulmano não costuma jogar suas palavras no vento.
    E sabe o que que houve, mesmo com meu coração já sendo dele, eu me apavorei e passei a prestar mais atenção ao que ele diz….
    Eu andei dodói essas duas semanas e não entrei todos os dias na internet e ele simplesmente diz que está com saudades. Pra ele é tão certo que ficaremos juntos… queria ter essa certeza…
    Comecei a lembrar de coisas que ele dizia, como quando ele me pediu em casamento e me repitiu vinte vezes todas as dificuldades que eu teria que enfrentar.
    Como ele sabe que muita coisa, a mãe dele vai me ensinar ou me explicar como funciona. Ele fala isso como uma coisa normal e uma forma até carinhosa. Mas aqui no Brasil se um namorado diz que a mãe dele vai fazer isso, vc ficaria ofendida. Não é?
    Como a gente já tem uma casa e como ele acha PERFEITAMENTE normal me mandar dinheiro, uma vez que sou a noiva dele. Eu quase tive uma síncope com isso. Nunca tive um homem me sustentando, nem meu pai. E só quando ele falou isso caiu a ficha que ele não está tentando me dominar, ele só quer partilhar as coisas comigo e acha isso natural.
    Aff Meninas….complicado
    Bjs
    Magda

  24. Epa…li meu comentário e achei que algo ficou mais explicado!
    Não tolero esses relacionamentos virtuais cheios de sexo virtual, acho isso uma aberração e pra mim não serviria.
    Quando falo de falar vários meses com alguém e não haver contato físico, me refiro a minha experiência específica, já que conheci o habiby primeiro ao vivo e a cores e depois começamos a nos falar pela net.
    E se fosse um outro homem, sem nunca ter me beijado ou me tocado, já teria enchido o saco dessa história.
    bjs

    Magda

  25. texto interessante, e os comentarios mais ainda rs. Tá certo que me assustei com essa de sair para o café é praticamente um namoro por la, mais pelo fato que tem um egipcio que sempre vai no meu trabalho ficar conversando comigo. Se antes de ler ja assustei dele ter me perguntado se tinha namorado, agora tive um infarto. =O

  26. Fiquei encantada e assustada com o texto e os comentários do blog ao mesmo tempo. Apaixonante sua história e hilários os comentários. Parece história de livro. Já pensou em escrever um?
    Estou namorando um Egípcio faz pouco tempo. Conheci ele na faculdade onde faço pós. No começo eu não achava que ia virar nada e confesso que ainda não tenho muitas pretenções com ele, até porque vim o exterior para ficar pouco tempo e já volto ao Brasil daqui um mês e não sei como vai ficar nossa situação depois que eu voltar. O problema é que já conheci alguns amigos dele que também estão aqui, inclusive um amigo de infância e ele me trata de um jeito bem respeitoso. Só que, ao contrário dos comentários que vi no blog, meu egípcio demonstra carinho em público, me abraça na frente de todo mundo quando estamos juntos, pega na minha mão quando saímos, me beija no cinema e coisas do gênero. Ele às vezes fala coisas que aconteceram conosco que nem eu lembrava mais. E tudo isso de um modo bem romântico. Como por exemplo, quando nos beijamos pela 1a vez, no outro dia ele mandou uma mensagem: “seu beijo ficou em minha mente o dia inteiro” e alguns dias depois ele disse: “no dia do nosso primeiro encontro, o sol batia no seu rosto e refletia a cor tal de sua blusa e eu me apaixonei por você naquele momento”
    Affffffff!!! Será que tudo isso é lorota?
    Mesmo que for, foi o cara mais fofo que passou por minha vida. Nunca pensei que ia me apaixonar por um egípcio, mas tô caidinha e isso é ruim, porque não estou pensando no amanhã e nem no depois.

  27. Eu me apaixonei por um egipcio, ha 3 meses. Eu nao sei o que eu faco! li tudo o que voces escreveram, ele eh exatamente como relataram, carinhoso e atencioso

  28. Dolores rachei de tanto rir adorei vc menina !

  29. Gostaria de saber, qu ando um brasileiro se casa com um egipicia geralmente ficam no Egito ou vem para o Brasil?

Deixe um comentário e vamos interagir!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: