Aula de árabe – trabalhando com o maridão


Vou contar uma coisa para vocês: estou trabalhando com o Mostafa algumas noites e de domingo (sim, ele me escraviza) na edição de um livro de aprendizado de árabe para falantes de português. Isso mesmo, para quem quer falar mais que ‘habiby’ e ‘bahebak’ ou até mesmo para quem tem outros focos, como comércio exterior e trabalho.

Era um plano antigo nosso que só agora estamos concretizando. É engraçado como tem coisas que sempre estão na nossa mente mas demoramos, enrolamos e às vezes e ao fim nem colocamos em prática por conta da rotina corrida e falta de planejamento. Este livro de árabe foi assim, já tínhamos começado várias vezes, mas sempre parando pelo meio.

Mas agora o trabalho está tomando forma, corpo, e já sendo aplicado com vários alunos, que estão adorando, e isso vai dando motivação. E como eu edito – já que sou jornalista e tenho que cuidar para sair tudo perfeito no português – é uma forma de trabalhar em algo diferente do que faço no dia a dia.

Mas dá trabalho! Pensar em como transformar o idioma no melhor para os falantes de português, quais letras usar para substituir o alfabeto árabe, que ordem de ensino aplicar, etc.

Ensinar árabe para brasileiros não é uma tarefa fácil. E acredito que para os alunos encontrar um professor com a didática ideal também é raro, já que não existe muito estudo sobre a língua aqui e muitas vezes se copiam modelos de fora, como começar apenas pelo ensino do árabe clássico e não focar no que realmente é falado e usado, se esta for a necessidade do aluno. Neste livro, a opção foi feita pela língua falada, com uma transição mais lenta para o clássico. A vantagem é que quem estuda já fala frases em árabe e até conjuga verbos em 2, 3 aulas (ou umas 15 páginas).

Para quem já estudou o árabe clássico (como eu tentei) sabe que é complicado avançar e conseguir ler sem saber falar.  Pois diferente do português, onde a gente vê as letras todas e sabendo o som é possível ler, no árabe a coisa é um pouco mais complicada. No alfabeto árabe, nem todas as vogais são escritas, por serem mais fracas, e são usados acentos (que quase nunca aparecem em textos, na escrita usual, nas ruas, nas legendas, etc). Ou seja, se você não fala árabe, não adianta saber apenas o alfabeto, pois continuará sem conseguir ler.

E sobre o livro de árabe, uma palhinha (lembrando que essa não é a versão final ainda, pois só de colar agora já vi que tem coisas que preciso mudar – edição é fogo) :

Quem sabe depois dessa experiência não me animo e me planejo para escrever 0 livro sobre minhas histórias e das pessoa que conheci nesses 4 anos de vida Egito e Brasil (não do blog, que tem menos, mas da minha história com Musta 🙂 ). Vocês iriam compar? ahahaha

Anúncios

Sobre Masr culinária mediterrânea

Encomendas para Zona Oeste e Centro de São Paulo. Outras localidades sob consulta. Como trabalhamos com matéria-prima fresca, o ideal é que pedimos sejam feitos com antecedência.

Publicado em setembro 22, 2010, em No Brasil, No Egito e marcado como , , , , . Adicione o link aos favoritos. 21 Comentários.

  1. Parabens , Mostafa e Marina, vcs sao um exemplo para muita gente.
    Que tenham muito sucesso !!!
    Mande amis dicas, assim vou aprendendo…
    Bjsssssssssss

  2. Que ótiima notícia!!! Parece que vai ser um livro bastante didático, parabéns!

    Ah, harami é bastardo em hindi, hihihihi, será q vieram da mesma origem?

    E sim, claro que eu compraria o livro sobre suas histórias!

  3. eu so compro se vcs me derem autografo hehehe
    Otima ideia do livro, ja pensaram em faze-lo junto com um cd ou dvd?
    beijos

  4. eu compraria no dia do lançamento (com autógrafo claro) haha

  5. Salaam alaikum

    Claro que sim.
    Por que tipo assim Ahmed me ensina algumas palavras em arabic mais….
    Quando se junta ele e mais gente falando eu sempre fico assim

    >>>> 0.0

    NO dia que vc tava conversando com ele em arabic também fiquei com cara de bocó hehehehehehe mais rlx um dia chego lá hehehehe.

    salaam

  6. Maravilhosa notícia !
    Bem q eu gostaria de comparecer na noite de autógrafos.
    😉

  7. Valéria Cruz/Portugal

    Olá Marina,

    Apesar da distância … eu comproooooo

    Beijinhos

  8. Halima Umm Hisham

    Assalam waleykum

    Mashallah! Amei a ideia do livro!
    Quando sair vou querer um exemplar!!
    Beijos

  9. Sinto a maior vontade de aprender arábe, um dia vou aprender se Deus quiser, eu compro o livro sim , tbm ganho autografo???
    bjs

  10. Que notícia boa!!!!
    Parabéns pela iniciativa!!!!
    Bjuz

  11. Parabens e muito sucesso a vcs!!!

    Beijos e fiquem com Deus

    Barbrinha e Bebejinho

  12. Nossaaa já são três as amigas que irão publicar um livro…
    Sabia que a Monalisa, de Cuiabá, também irá publicar um livro juvenil, do tipo harry potter??

    quero noite de autógrafos

  13. Olá Marina e Mostafa, parabéns…Serei uma das que comprará o livro e claro quero autógrafos também!!!
    Conseguir aprender uma língua e usá-la com fluência não é tarefa fácil. Optar pela língua falada é um grande diferencial porque está priorizando o seu uso…

    Assim, que estiver pronto…por favor, nos avise!!!

    Adoro histórias que fala de amor…não perca de vista essa ideia não, ok?

    Beijo grande,

    Luiza

  14. Nossa, que legal!!!
    Espero que o livro fique pronto logo. Quero muito comprar.
    Parabéns pela iniciativa.

  15. Mostafa é ótimo professor! Façam sua matricula!!!!

  16. Eu também compro um!!
    Beijos

  17. Salam Marina…
    Muito legal essa idéia do livro de árabe…Eu to fazendo aula de árabe e Religião na Mussala da Paça da República, acho muito legal, mas é muito difícil tbm…o professor é um Sheikh da Arabia Saudita, ele não fala portugues, então imagina…mas tá dando td certo, graças a Allah. MAs assim q lançar seu livro, compro um com certeza!!!
    Beijo!!
    Salam

  18. Olá Marina:)

    Quero comprar o livro…

    Será que vocÊs mandam aqui para PT??

    Parabéns pela iniciativa!
    Bjo

  19. Sem querer ser chata, marina, dá uma olhada em como os cursos de árabe das universidades brasilerias adotam a transliteração. Não é nem por ser melhor ou pior, mas pq assim fica mais organizado. A USP e as e as federais do brasil adotam uma forma específica.

    bjs e parabéns

  20. PLEASE!!!!!!!!

    Separa o meu…antes que acabe!!!!

    Adorei as explicações.
    Sou maluca para fazer aulas de árabe com o Musta (nossaaa! que intimidade), mas o tempo é muito curto. Eu acesso ás vezes o LIVEMOCHA… mas é muito cheio de erros. Acho que o livro viria bem a calhar. Pois aqui, nas terras do Araguaia (noossaaa!! tô bem longe dele, apesar de ser Goiás) não é fácil encontrar professor de árabe.

    Parabéns pelo trabalho!!

    PS: Que tal escrever um ensinando portuguese para egípcios heheh… acho que tem um monte de habibis precisando disso!! heheh

  21. Oi, tudo bom? Estou fazendo uma pesquisa porque quero encontrar um livro para comprar e aprender árabe.
    Meu noivo é Libanês e quero aprender árabe pois vou conhecer a família dele, não apenas por isso, claro. Mas pela convivência com ele e com amigos, para não ficar tão perdida nas conversas!
    A mãe dele me mandou um livro para eu aprender, mas tneho um pouco dificuldade, pois ele não é didático e não possui a pronúncia das palavras.
    Seu livro já foi publicado? Caso não, você poderia me indicar algo para eu comprar? Moramos em Angola, mas sou brasileira. Vou ao Brasil em Dezembro e em Janeiro vamos ao Líbano, tenho que estar afiada!
    Shukran!

Deixe um comentário e vamos interagir!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: